Amor

Ela casou com um homem negro sem a aprovação do seu pai, e 70 anos depois, eles ainda estão casados

Ela casou com um homem negro capa site

O casal lutou contra todos os preconceitos e contra a distância, tudo porque sabia que se tratava de almas gêmeas.

Pelo que você passaria só para ficar ao lado do amor da sua vida? Para Mary e Jake, o amor sempre foi sinônimo de constância e lealdade, mesmo enfrentando o maior obstáculo que já imaginaram: a desaprovação de um pai.

De acordo com entrevista do Daily Mail, Mary tem 81 anos e Jake, 86, os dois moram em West Midlands. Antes da aposentadoria, ela trabalhou como professora e diretora adjunta, e ele, na empresa de correios. Você pode se perguntar: afinal, qual o motivo de eles terem permanecido tanto tempo afastados? E a resposta está na cor da pele.

Jake é negro e Mary é branca. Se hoje em dia, embora exista racismo comprovado na sociedade, o casamento é permitido, há algumas décadas era extremamente malvisto o relacionamento de pessoas de cores diferentes. Ela conta que sempre teve a intenção de casar com o companheiro, mas que assim que expressou sua vontade ao pai, ele imediatamente a barrou.

Durante uma conversa muito séria, ele explicou que, caso ela se casasse com Jake, nunca mais pisaria na casa onde moravam. Acreditando que aquele “horror” partia apenas do pai, Mary foi descobrindo na mesma época que a maioria das pessoas pensava da mesma forma. Mesmo assim ela escolheu continuar com o relacionamento, acreditando que a força do amor era maior.

Os primeiros anos, de acordo com o próprio relato, foram infernais, porque ninguém da própria comunidade abria espaço para que eles conseguissem se desenvolver profissionalmente e pessoalmente. Ela revela que mal comia ou dormia, ninguém falava com eles nem sequer conseguiam encontrar um lugar para morar, pois ninguém cedia lugar a pessoas negras.

Mary explica que as pessoas apontavam para eles nas ruas, como se fossem seres abjetos, como se não tivessem espaço por ali. Logo ela engravidou, mas teve uma amarga descoberta: a criança nasceu morta. Aquilo foi suficiente para partir seu coração, e o casal optou por nunca mais ter filhos.

Ela conta que, hoje em dia, pode ser um pouco difícil compreender esse nível de preconceito ppr que passou, mas que em 1940 não era comum ver pessoas negras na Grã-Bretanha. Eles se conheceram logo depois que Jake chegou de Trinidad, durante a 2ª Guerra, como parte das forças americanas em Lancashire, perto de onde sua futura esposa morava.

Ambos faziam a mesma faculdade técnica, ela tinha aulas de datilografia e taquigrafia, enquanto ele treinava na Força Aérea. Na primeira conversa, ele citou Shakespeare, e aquilo aproximou os dois. Algumas semanas depois, fizeram um piquenique, mas uma senhora viu Mary e sua amiga andando com um grupo de homens negros, e contou para o seu pai.

2 Ela casou com um homem negro sem a aprovacao do seu pai apos 70 anos eles ainda estao casados

Direitos autorais: Reprodução Instagram/ @larenfleishman.

Proibida de vê-lo novamente, eles continuaram escrevendo um para o outro, justamente na época em que ele voltou para Trinidad. Mesmo assim, não perderam contato, e alguns anos depois, ele escolheu voltar para o Reino Unido em busca de um trabalho mais bem remunerado.

Quando ela tinha apenas 19 anos, ele a pediu em casamento. Sem pensar duas vezes, a jovem britânica escolheu viver ao lado de seu amor, mesmo sendo expulsa de casa pelo pai e sabendo que nunca pisaria ali. Ninguém de sua família compareceu ao casamento, em 1948. Aos poucos, a vida foi se tornando mais fácil para os dois, que fizeram amigos e começaram a trabalhar em bons empregos.

Ela nunca chegou a se reconciliar com o pai, mas sente que o casamento foi a melhor coisa que fez, uma feliz união que já dura quase 70 anos. Superando preconceitos e apostando no amor, eles continuam firmes.

0 %