Amor

Empresário chama Xuxa de “imbecil” e é condenado a pagar R$ 30 mil

Foto: Instagram
Xuxa

Xuxa Meneghel tem contado nos últimos anos que não se prenderá, ou diminuirá, por ações dos outros e processou o empresário Adriano de Barros Caruso após ele compartilhar um vídeo xingando a apresentadora. Ele foi condenado pagar uma indenização de R$ 30 mil.

A condenação em primeira instância foi publicada pelo colunista Rogério Gentile, do UOL, e conta que em fevereiro de 2021 o empresário, que também é presidente da Associação Brasileira dos Exportadores de Bovinos e Bubalinos, fez o vídeo sete meses após a apresentadora divulgar uma ação da ONG “Mercy for Animals”, denunciado maus-tratos contra suínos em uma granja de Minas Gerais.

O vídeo afirma que os animais eram constantemente agredidos e vítimas de choque elétrico como maneira disciplinar. À época, Caruso declarou: “Xuxa Meneghel, se você quiser fazer alguma coisa contra o agro, um setor tão sério, que leva esse país nas costas, não minta, não faça esse tipo de propaganda enganosa. Sua irresponsável, sua imbecil, sua idiota, sua louca.”

Meneghel apresentou uma queixa-crime contra o empresário na Justiça de São Paulo e afirmou que sua honra foi ofendida. “Uma efetiva transgressão do direito à manifestação ou de, simplesmente, discordar do posicionamento da apresentadora”, afirmava o documento.

Nos autos, Adriano alegou que apenas fez um “desabafo” para defender o agronegócio. “Xuxa busca a todo momento denegrir o agro nacional perante a comunidade internacional, em verdadeiro boicote ao consumo da carne bovina e suína do Brasil. Na condição de figura pública, ela deveria adotar postura mais respeitosa com o país que lhe projetou no cenário internacional”, declarou.

O processo foi julgado pelo juiz Marcelo Andreotti, que não aceitou a defesa e afirmou que o “desabafo” do empresário foi uma ação “ofensiva, pessoal e desproporcional”. Ele foi condenado a uma pena de quatro meses em regime inicialmente aberto e a pagar uma indenização de R$ 30 mil. O empresário pode recorrer.

0 %