Nossos pensamentos e discussões internas são dissipados no momento em que nos entregamos de corpo e alma à compaixão.



Não podemos desviar o caminho do amor, existente em cada um de nós. Vá ao encontro da sua própria espiritualidade, não só com teses ou teorias. É na combinação de bons pensamentos e mágicas energias que vivemos com compaixão e pela compaixão.

Nas leis do universo, ela carrega em si a palavra pura da iluminação e da evolução. Na riqueza imensa e variada das realidades e das possibilidades, Deus está construindo o verdadeiro paraíso dentro de cada um de nós, para que este mesmo paraíso individual se torne o mundo da compaixão.

Podemos enxergar pelo coração uma realidade divina e servir compaixão a todos, sabendo que um dos significados deste ato está em desejar a felicidade do próximo.


Pode parecer que na nova visão de mundo, a medida da compaixão seja grande demais. Ela deve ser praticada, imaginada e sentida na intenção de um mundo melhor para todos. Seremos capazes de compreender e de centrar em nossos corações a figura familiar envolvendo a todos os seres vivos da Terra e até fora dela? Acredito que através da compaixão poderemos ter a visão iluminada de Francisco de Assis, na qual podemos enxergar no mundo um caminho iluminado da mais pura beleza através do domínio dos pensamentos, como Buda praticou. Toda visão é fruto dos pensamentos, e a prática da compaixão não abre espaço aos maus pensamentos. Essa prática puxa para dentro de cada um de nós uma visão diferenciada e cheia de luz. Uma vida melhor para todos, que pode ser vivida ainda no mundo material.

A compaixão vivida por quem a pratica, com sua forma tão humana e sua personalidade concreta, é a mesma distribuída por Deus, pela qual tudo veio a ser e tudo é conduzido.

Depois que acolhemos a compaixão em nosso coração, ela vai nos dirigir. Ela vai conduzir a sua história e da humanidade. História cuja grandeza incomensurável começamos a viver no despertar desse acolhimento.

E o que fizeram as mentes e os pensamentos de nossos antepassados pela dor do mundo? A dor de hoje é reflexo da falta de compaixão no passado e será a de amanhã se nos fecharmos em nosso pequeno mundo particular.


A compaixão universal é a chama dos nossos olhares que ilumina o caminho da vida humana. A chama é a sustentabilidade e amor pelo todo.

Compaixão significa esquecermos o que apenas nos diz respeito para nos importar com a dor do outro. É a compreensão do sofrimento alheio, é a capacidade de agradecer ao criador por toda a sua criação, é o que nos coloca em harmonia com a natureza, com as diferenças, com o todo e com nós mesmos.  Ela, frequentemente, funde-se ao  desejo de aliviar ou encolher o sofrimento de outro ser. Ela demonstra uma especial gentileza com todos e em todos os momentos.

Sentir compaixão, agradecer, sentir-se agraciado e fazer com que o próximo seja agraciado pela visão do amor. Esse caminho nos leva a merecer um estado de iluminação espiritual e satisfação material.

O nosso grau de prazer, alegria, satisfação, paz, sucesso e amor, dependerá do grau de compaixão que conseguirmos acolher em nossos corações pelo nosso irmão, pela vida, pelo universo e por Deus.


Compaixão: você precisa experimentar esse sentimento e doar-se ao que mais puro e livre existe para o caminho do amor!

Por Bernardino Nilton Nascimento

Uma andorinha só… Faz verão!

Artigo Anterior

Para os apaixonados: o mistério da autoestima

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.