Falácias

8min. de leitura

Que atire o primeiro lenço quem nunca chorou por um amor desfeito.



Ao longo de nossa trajetória é comum tropeçarmos em algumas pedras em forma de decepções, desamores, mentiras e ilusões. Machucam, nos desestruturam, mas são fundamentais para nosso amadurecimento e evolução. A história quase sempre tem os mesmos moldes: vivemos buscando aquele aconchego de um amor seguro, estar envolvidos em um abraço sincero e ter um colo para relaxar na tranquilidade de sermos aceitos, amados e acolhidos. Ouso dizer, através de minhas próprias experiências, que quando avistamos uma possibilidade, vamos logo nos empolgando a ponto de planejar tudo: onde serão as próximas férias, se a cerimônia do enlace será na praia, no campo ou na igreja, começamos até a imaginar o vestido e a decoração da festa. Combinamos os signos, pesquisamos novas receitas ou restaurantes, pensamos no nome dos filhos, se a melhor opção é casa ou apartamento, se teremos cachorros, gatos, jardim, casa na árvore para as crianças… Ufaa… São tantos detalhes que quase entramos em colapso!

Se caso você se identificou, saiba que não há nada de errado com seu jeito sonhador. Todos nós, ou ao menos a maioria, desejamos um amor de cinema, desses que que te levam a explorar o inexplorado, a planejar com toda atenção e carinho cada detalhe. Não se culpe, não se puna tanto pelas expectativas que cultivas a respeito do amor. Merecemos o melhor e como sempre aprendemos em textos semelhantes a esse não devemos aceitar jamais menos do que o melhor nem tampouco acostumar-se com o que não nos faz bem. Nosso erro está no fato de não construirmos uma base sólida de amor próprio e autoestima para sonhar com segurança.

Espera. Sonhar com segurança? Desde quando sonhos nos oferecem segurança, se são ligados a fantasias que criamos? Sonhos não vem com certificado de garantia, manual de instruções, muito menos troca ou ressarcimento de possíveis prejuízos.


Exatamente, sonhos são incertos, quando alcançados nos levam ao céu, mas quando destruídos…. Bem esse fato dispensa comentários. Afinal quem nunca? Cada ser tem sua maneira de lidar com sonhos desfeitos. Permita-me contar rapidamente meu último desamor, vamos rir e lamentar juntas…. Quem sabe você já tenha vivenciado algo parecido e perceberá que histórias de amores falidos são comuns, mas jamais devem roubar-lhe a esperança e o sorriso.

Tudo começou com a insistência de meu cabeleireiro em baixar um aplicativo no celular de encontros, ele não conformava-se com o fato de minha vida ser tão solitária logo no auge de meus 24 anos, fiz exatamente como ele me orientou. Dez minutos depois eu estava com meu penteado pronto e viciada no aplicativo. Tanta gente bacana e disponível. Conversei com muitas pessoas, algumas me levaram a desperdiçar tempo e paciência, outras me permitiram construir boas amizades, e uma pessoa, é claro, despertou meu interesse e me fez perder as próximas noites de sono. Parecia perfeito (sempre parece, não é?), interesses em comuns e eu jurava de pés juntos que havia encontrado minha alma gêmea.

Encontro marcado, após muitas conversas, tomei uma boa dose de coragem, peguei um ônibus e viajei ao encontro do amado. Foi um fim de semana maravilhoso, sabe quando é perfeito demais para ser verdade? Então. Nos víamos a cada quinze dias, na época a filha dele era bem pequena, e eu não queria jamais interferir na relação, bem sei as sequelas que uma separação pode deixar na vida das crianças e o importante papel de um pai presente na vida de um filho. Ele era um homem de negócios, empreendedor e bem-sucedido, culto, falava outras línguas e já havia viajado para diversos locais do mundo. Vindo de um “berço de ouro”, muito bem-educado, um príncipe. Me apaixonei á ponto de nem reparar o seu passado negro e os quilos a mais que ele carregava. Que relevância tem isso quando se ama?


Ocorreu que ele não pensava assim, mesmo não possuindo um corpo atlético (bem longe disso) ele reparava no meu sobrepeso, deixando de lado todo o esforço que fazia para vê-lo feliz. Os primeiros comentários me magoaram muito, afinal o peso que acabei adquirindo era devido a uma disfunção hormonal e um período de depressão, mas deixei de lado, quando se ama, não é qualquer “bobagem” que nos faz desistir não é mesmo? A mãe da filha dele me ofendia constantemente, fazia ameaças, mas nada importava, eu havia encontrado meu príncipe. Bem, na verdade eu havia projetado um príncipe nele.

A balança e os comentários desanimadores dele tornaram-se meus piores inimigos. Iniciei uma dieta maluca para eliminar os malditos 10 kg que atrapalhavam minha felicidade com ele. Tomei remédios, fiquei doente e com a autoestima dilacerada. Ignorava os comentários do meu médico para ter cuidado com essas dietas á jato que na verdade são armadilhas para a saúde física e emocional. Nada importava, afinal ele ficaria feliz, me amaria e chegou a planejar até uma viagem romântica para comemorar meu emagrecimento. Seria um prêmio pelo meu esforço e conquista.

E conquistei! Não a viagem nem a admiração do “amado”, mas sim meu grito de liberdade e amor próprio! Chegou um momento em que finalmente acordei do pesadelo, rompi o namoro e comecei uma linda história de amor comigo mesma. Resolvi parar de me sacrificar, curar as feridas que eu permiti que ele deixasse em mim, e começar uma nova vida, me amando e valorizando minhas qualidades. Se chorei? Muito, muito mesmo. De raiva, ressentimento, decepção. Pensava comigo mesma: Dez quilos destruíram minha relação? Meu sonho de amor? Será que ele não via que esse detalhe seria resolvido e que eu era uma mulher notável, dedicada e disposta a fazê-lo feliz?

Até que chequei a importante conclusão…. Sobrepeso, se incomoda a pessoa, existem soluções. Mas para pobreza de espírito, futilidade e vazio interior, creio ser bem mais complexo para se corrigir. Não ficamos inimigos, ás vezes até trocamos umas poucas palavras, afinal de contas se existe alguém digno de pena é ele, eu tenho consciência do meu valor, mesmo que tenha demorado para reconhecer isso. Desejo que a vida leve até ele a real felicidade de um amor tranquilo, assim como trouxe para mim… Encantos exteriores, o passar dos anos leva…. Envelhecer é nosso destino, ninguém escapa. Que ele consiga valorizar a real beleza, para assim poder passar esses princípios para a filha, que logo será adolescente e precisará muito dele nessa fase tão inconstante.

Pode parecer ironia, mas hoje sou grata por ele ter estragado tudo, me proporcionando assim um crescimento importantíssimo e a oportunidade de viver um novo amor. Um amor leve.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.