publicidade

A gente ama o que sente, não o que vê

Não existe por do sol bonito apreciado por olhos infelizes.



A gente ama o que sente num lugar. A gente ama o que sente na presença de outra gente. A gente ama o que sente num olhar.

A gente não ama o belo nem o agradável só aos olhos. A gente ama a beleza que emana do outro. E tudo fica belo e perfeito.
Os olhos são os radares, mas não ousam a posição de sensores. A beleza encanta.

Mas o que a gente ama, é de outro modo que a gente vê. É um modo único, particular, reservado. A lente que fotografa as memórias mais caras, perpetua o que a gente vê e também o que sente, aspira, suspira, eterniza.

Olhar por olhar é só apreciar. É um instantâneo agradável. É belo, mas passa. A polaroid que apaga com o tempo.


Apreciar um filhote dormindo, nosso ou de qualquer outra espécie, desperta amor. A gente vê a beleza através desse amor. Enrugadinho, careteiro, bochechudo, não importa, quem enxerga é o amor. E nessa lógica tudo se enquadra e se encaixa… Imperfeições, assimetrias, diferenças, pouco que sobra, muito que falta, o amor enxerga com gentileza e generosidade.

O que a gente vê aguça, instiga. É bom.
O que a gente ama, aninha, conforta, dá colo, faz o por do sol aparecer a qualquer hora e em qualquer lugar.


Olhar faz bem, admirar, ainda mais.
Mas amar, amar faz a gente enxergar grandes e deliciosas belezas, que a olho nu jamais se revelariam.

A gente ama o que sente, não o que vê.

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.