Oito da noite, numa avenida movimentada. O casal já está atrasado para jantar na casa de  uns amigos. O endereço é novo e ela consultou no mapa antes de sair. Ele conduz o carro. Ela orienta e pede para que vire, na próxima rua, à esquerda. Ele tem certeza de que é à direita. Discutem.



Percebendo que além de atrasados, poderiam ficar mal-humorados, ela deixa que ele decida. Ele vira à direita e percebe, então, que estava errado.


Embora com dificuldade, admite que insistiu no caminho errado, enquanto faz o retorno. Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem alguns minutos atrasados.

Mas ele ainda quer saber:  –  Se tinhas tanta certeza de que eu estava indo pelo caminho errado, devias ter insistido um pouco mais…

E ela diz: – Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz. Estavamos a beira de uma discussão, se eu insistisse mais, teríamos estragado a noite!


MORAL DA HISTÓRIA:

Esta pequena história foi contada por uma empresária, durante uma palestra sobre simplicidade no mundo do trabalho. Ela usou a cena para ilustrar quanta energia nós gastamos apenas para demonstrar que temos razão, independentemente, de tê-la ou não.

Desde que ouvi esta história, tenho me perguntado com mais frequencia: Quero ser feliz ou ter razão?

Eu já decidi… EU QUERO SER FELIZ ! E VOCÊ?


Por Gabriela Bonamigo

Publicitário cria projeto pra fazer uma coisa boa por dia durante 21 dias

Artigo Anterior

Corrida maluca com crianças cadeirantes emociona público em poa

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.