AmorAtitude

Um vídeo sobre um homem que só valorizou o amor depois que perdeu

Criado para o dia de São Valentim (em fevereiro), a produtora portuguesa Diffuse criou ”Só de mim”, que conta a história de alguém que já teve tudo, e que só percebeu depois de perder. Uma história improvável para um dia feliz, contada com a linda cidade de Lisboa como pano de fundo. Tudo começou com inspiração no video “The Emotive” de Christopher Wong (chriskingwong.tumblr.com) e Kevin Guiang.



Aqui, o texto que ele declama em sotaque português. Lindo de ouvir e refletir:

 


 

Eis o texto que ele recita:

“Tu não sabes quem eu sou, mas eu sei quem tu és… e só preciso de um minuto da tua atenção.

Espero que saibas a sorte que tens. O quanto eu gostaria de estar na tua pele. Poder estar na mesma cama que ela todas as manhãs. Ajudá-la a acordar da má disposição matinal.


Espero que saibas que ela não te vai falar enquanto não lavar os dentes. Não é por mal… é por medo de perder o encanto aos teus olhos. Que a consideres um ser humano comum.
Espero que saibas que ela gosta de aproveitar cada raio de sol, e que o café a deixa mal disposta.

Que escolhe a roupa que vai vestir na noite anterior, só para poder ter mais cinco minutos de sono pela manhã. Que o despertador toca cinquenta vezes até que se levante, e que mesmo assim, consegue chegar a horas.

Quero também dizer-te que ela adora histórias do fantástico. Mas não de terror! Que é capaz de saber o nome de todas as personagens de um livro antigo, mas que não se vai esforçar para decorar o nomes de todos os teus amigos à primeira…


Porque ela… ela é que sabe de si.

Tu nunca serás uma sorte para ela. Sorte é poderes tê-la na tua vida.
Sabes? Ela não é romântica por natureza, mas uma demonstração espontânea da tua parte vai fazê-la fraquejar. Porque ela é segura e doce ao mesmo tempo.

Ela não sabe cozinhar, mas vai esforçar-se para fazer o teu prato preferido. E se não estiver bom, ela vai rir-se do falhanço, em vez de corar.


E quando ela ri… quando ela ri eu tenho vontade de chorar. Não de tristeza, mas porque cada gargalhada é como uma nota musical que toca ao coração e me faz querer dançar.

Ela é tudo o que eu queria e nunca soube que tive.

Aprende que a arritmia que sentes com ela é normal!
E que a falta dela é um vazio igual à morte.


Espero que sejas tudo aquilo que eu nunca fui.
Espero que a trates bem. Porque se lhe partires o coração vais perdê-la para sempre.
Pudesse eu ter lido o futuro…”

 


Mestre budista propõe reflexão sobre a felicidade genuína

Artigo Anterior

Sem cortar a barba e o cabelo, homem viaja durante um ano a pé pela china

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.