Ana Macarini
As palavras que escrevo não me pertencem. Elas são resultado da minha interação com o mundo. São células de mim, que morrem no papel e renascem nos olhos de quem as lê.

Era amor, pode acreditar

Amor

Posts navigation