Conhecer a si mesmo – 5 maneiras de descobrir sua verdadeira natureza:

6min. de leitura

“Conhecer a si mesmo é o princípio de toda a sabedoria.” ~ Aristóteles

Através de minha viagem de autodescoberta – incluindo meses de retiros de meditação, sessões semanais de treinamento somático, vivendo em um Zen Center nos últimos quatro anos e trabalhando em uma indústria que apoia esse trabalho – descobri cinco ferramentas valiosas que ajudam a conhecermos a nós mesmos:



1.Familiarizar-se com a mente, seus hábitos implacáveis, histórias recorrentes, trabalhos intrincados

Aproveite o tempo para parar totalmente e conhecer a mente. Saiba que você pode testemunhar tudo o que surge sem ter que reagir ou fazer alguma coisa com o conteúdo do que está surgindo. Em vez disso, você pode vê-lo e enxergar como os pensamentos, sensações, sentimentos e imagens vêm e vão, como nuvens passando por um vasto céu.

A mente é um fenômeno que está sempre produzindo o pensamento, e muitas vezes, eles são apenas isso – pensamentos, não a verdade. Quando aprendemos a testemunhar nossa experiência, aprendemos que não precisamos nos identificar com ela.

Em vez de pensar “eu não sou bom o suficiente” e sentir-se para baixo, ou “não vai funcionar” e sentir-se ansioso, podemos observar o que está acontecendo em nossas mentes e optar por não ficar preso a isso.


Existem inúmeros recursos lá fora para ajudá-lo a iniciar uma prática de meditação, que irá ajudá-lo a desenvolver mindfulness.


2.Conhecer o seu eu mais jovem – a criança, o adolescente

Há tanta sabedoria nessas versões anteriores de si mesmo.

Um amigo e eu discutimos recentemente como precisamos deixar ir o passado, a fim de sermos o nosso melhor eu. Embora eu pense que é verdade, não sei se é possível conscientemente deixar ir o passado sem primeiro conhecê-lo.


Eu tive anos difíceis na adolescência em um lar danificado. Depois que minha mãe morreu, quando eu tinha doze anos, minha nova madrasta criou um ambiente caótico e inseguro. Quando adolescente, eu era desafiador, rebelde, feroz, independente e com raiva.

Não até recentemente, ao revisitar o passado, eu percebi que me sentia envergonhada da adolescente que fui, e pensei que ela já não servia a nenhum propósito em minha vida. Eu tinha essa crença de que precisava superar essa adolescente, em vez de conhecê-la.

Quando lhe pedi sua sabedoria em meditação, ela teve tanto para me dizer. Embora eu tenha visto que certos padrões daquela versão não me serviam mais, também reconheci a força de guerra e a sobrevivência, que são grandes partes de quem eu sou hoje.

Ao conhecê-la e honrá-la, pude transformá-la da “adolescente inútil e rebelde do passado” a “corajosa tomadora de riscos” que protege essa preciosa vida.

Convido você a encontrar uma foto antiga de sua infância – qualquer faixa etária – e perguntar a essa criança qual sabedoria ela tem para te mostrar. Deixe-se surpreender com o que acontecer.


3.Enfrentar o sofrimento

Em nossa cultura, não reconhecemos frequentemente esta fonte natural de vida. Mas há um tremendo valor nela; como Rumi escreveu: “A alegria vive escondida no pesar”.

Muitos de nós passamos nossos dias evitando a dor de ser humano – corações partidos, sonhos esmagados e esperanças quebradas. E essa tristeza, incontida, se acumula.

Nos últimos anos, derramei mais lágrimas do que jamais pensei que fosse possível, e minha vida é melhor assim. A dor tem um jeito de limpar a impureza do coração e abri-lo; de cicatrizar feridas que continuam a doer apenas porque não foram cuidadas.


4.Fazer as pazes com o ego

Uma maneira de conhecer o eu é realmente entender onde somos pegos. Por exemplo, eu vi que me preocupava com o que as pessoas pensavam. Devido a isso, realmente não podia mostrar-me autenticamente, em vez disso, usava uma máscara que seria mais aceita pelas pessoas, em minha opinião.

Encontre a coragem de conhecer as partes condicionadas de si mesmo que o constrangem e o deixam preso. Seja gentil. Não há necessidade de julgar-se ou se envergonhar; todas estas partes de si mesmo são bem-vindas, e tudo está bem quando feito com compaixão e paciência.

Em minha experiência, você geralmente pode sentir essas partes em algum lugar em seu corpo – por exemplo, a maneira como a mandíbula ou os quadris se apertam quando um certo padrão de estresse surge.


5.Encontrar relacionamentos honestos – aqueles que estão comprometidos com a autoconsciência da mesma forma que você

As reflexões e o apoio de um bom amigo, terapeuta, professor espiritual ou treinador podem ser um recurso inestimável. Sem os recursos que procurei nesses últimos anos, essa jornada de conhecer a mim mesma não teria sido possível.

É com a compaixão, amor e apoio que recebemos dos outros quando nos mostramos honestamente, que começamos a aprender como podemos nos encontrar da mesma maneira.

________

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Tinybuddha

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.