Doença auto imune: o que é isso? (continuação)

9min. de leitura

Como eu estava dizendo anteriormente, numa situação contínua de estresse, a reação natural do corpo fica abalada e a pessoa começa a perder energia.



“A inteligência interior do corpo é tão poderosa que, quando se desvia, o médico tem pela frente uma antagonista temível. Por exemplo, cada célula do corpo é programada por seu DNA para se dividir até determinado ponto, quando a célula-mãe se reparte em duas. Como todo o resto regulado por nossa inteligência interior, esse processo não é puramente mecânico.

A célula se divide em resposta à própria necessidade interna, aliada aos sinais gerados pelas células vizinhas e por órgãos distantes que “falam” com ela por meio de mensagens químicas. A divisão da célula é cuidadosamente calculada – e uma decisão bem pensada, a não ser no caso do câncer.

O câncer é o comportamento selvagem e anti-social de uma única célula, que se reproduz sem seguir o padrão, sem sinais de nenhum lado, a não ser, aparentemente, de seu próprio DNA enlouquecido”(Dr. Deepak Chopra).



• O que faria o DNA enlouquecer?

Aparentemente a resposta é simples, quando fazemos a relação mente/corpo: – seria a constante exposição do indivíduo às situações estressantes, tais como: perda de um ente querido, qualquer tipo de perseguição, perda de emprego, rompimento de relações amorosas, acidentes, etc.
É costume recorrer ao uso de uma metáfora para que leigos possam compreender a função do sistema imunológico: – O sistema imunológico é o Quartel General (QG) onde todos os soldados (leucócitos ou glóbulos brancos do sangue) estão sempre em alerta para defender o organismo contra qualquer invasor (bactérias, vírus).

Ao mínimo sinal de alarme, o batalhão, mais próximo do lugar afetado, se desloca em direção ao intruso, cercando-o e expulsando-o para fora do corpo. Terminada a operação, o corpo como um todo sente-se livre do inimigo e os soldadinhos voltam para o QG.
Porém, em se tratando de uma mente estressada, o corpo recebe a mensagem de constante perigo, como já vimos anteriormente. O QG fica emitindo sinal de alerta e o exército é mobilizado para sair correndo à cata do inimigo. Mas, onde está o inimigo? Por que o alarme não pára? Ainda não foi encontrado?

Lembrando que os soldadinhos têm a sua própria inteligência, o “pensamento” deles será:- “Ah, já sei. O inimigo está disfarçado!”
Imediatamente, não tendo como reconhecer aquele que é amigo daquele que não é, os soldados cumprem fielmente a função – defender o corpo – e vão matando, comendo ou expulsando todos os que encontram pela frente. Deu loucura em todo mundo !!! E o pior é que, nesse caso, não há nenhum intruso. Foi alarme falso!


É isso… o próprio organismo se auto-destruindo.
Fica claro, então, que o desequilíbrio mental e emocional provoca um desarranjo no sistema imunológico que, afetado, não consegue mais identificar, no organismo, as células defensoras que lhe são próprias, daquilo que é considerado como “invasor”. O sistema imunológico passa a atacar o próprio organismo, se auto-destruindo – daí as chamadas “doenças auto-imunes”.
As doenças auto-imunes mais comuns hoje são: câncer, artrite reumatóide, espondilite anquilosante, esclerose múltipla, lúpus e algumas outras.

Descobriu-se que as áreas do cérebro mediadoras de nossas emoções – as amígdalas e o hipotálamo, também conhecido como “cérebro do cérebro” – são especialmente ricas em todas as substâncias do grupo neurotransmissor. Isso significa, portanto, que onde os processos de pensamento são abundantes (o que quer dizer que muitos neurônios estão fortemente agrupados), também estão as substâncias químicas associadas ao pensamento.

Quando a ciência pensou que podia isolar as substâncias químicas cerebrais e categorizar suas posições, inesperadamente, o corpo mostrou o quanto é complicado. Pesquisadores do National Institute of Mental Health descobriram receptores igualmente abundantes em outros pontos fora do cérebro. Desde o início da década de 80, foram descobertos receptores para neurotransmissores e neuropeptídios nas células do sistema imunológico chamadas monócitos.
Dotado de um vocabulário cuja complexidade espelha o do sistema nervoso, o sistema imunológico evidentemente manda e recebe mensagens com a mesma variedade. Se o fato de estarmos felizes, tristes, pensativos, animados, etc., obriga nossas células cerebrais a produzirem neuropeptídios e neurotransmissores, as células imunológicas também devem ser felizes, tristes, pensativas e animadas – devem, enfim, ser capazes de expressar toda a gama de “palavras” (carregadas de emoções) que os neurônios empregam.

Portanto, o fator desencadeador do processo que leva o indivíduo à doença não é o estresse propriamente dito, mas a maneira como ele vai lidar com o que a situação de estresse mobiliza dentro dele. Vários indivíduos submetidos ao mesmo estímulo estressante terão respostas diferentes de acordo com o tipo de personalidade, seu histórico de vida ou experiências anteriores, as relações interpessoais, realização profissional, sua auto-estima, seu sistema de crenças, enfim, a maneira de encarar a vida e se colocar nela.

Partindo deste princípio, os indivíduos afetados significativamente pelo estresse poderão reagir negativa ou positivamente.
A reação negativa ao estresse é aquela que o indivíduo se sente de tal forma abalado que entra em desequilíbrio emocional, se desespera, se angustia, se coloca como vítima da vida e se deprime.

Caso haja o fator genético predispondo o indivíduo a desenvolver determinada doença, com o sistema imunológico em desequilíbrio, o prato está feito. A doença se instala. E o pior que pode acontecer é a pessoa perder a vontade de lutar.
A reação positiva é aquela que o indivíduo percebe sinais significativos para a realização de mudanças interiores, entende esses sinais e aceita que, naquele momento, está aprendendo com a experiência aparentemente negativa. Melhor dizendo, experiências dramáticas levam à transformação pessoal de maneira positiva, pois, nos ensinam lições.


• Na busca do re-equilíbrio está o escape à doença.

O primeiro passo para a cura será tomar consciência do que pode estar nos afetando. A maioria de nós não sente a necessidade de estar atento às coisas que nos afetam, quando tudo está indo bem.

A vida torna-se uma espécie de piloto automático que vai nos levando, até que… a doença ou a infelicidade sobrevém e nos sentimos esmagados, mergulhados em um mar indiferenciado de acontecimentos e emoções.

Há que se deixar de lado o orgulho e a vaidade e reconhecer que somos frágeis e precisamos de ajuda.
Precisamos de médicos, mas, com certeza, precisamos de alguém que nos mostre o caminho de volta para a nossa essência – o caminho do Autoconhecimento. Cuidar de si mesmo é o primeiro de todos os cuidados. Só nós mesmos seremos os nossos verdadeiros curadores.

_____________

Por Vera Bassoi
Psicoterapeuta, Psicanalista Transpessoal e Pós-Graduada em Psicossomática.
Especialista em “Constelações Sistêmicas” e em “Eneagrama”.
Em 1996 criou o curso-terapêutico “As Chaves para o Autoconhecimento”.
Em 2005 criou a “Oficina para a Paz Interior”.

Fonte: STUM

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.