publicidade

A pessoa ferra o seu emocional, mas não libera você

Imagine a seguinte situação: você se relaciona com alguém que o(a) trata da pior forma possível, daí você se cansa e se afasta.



No que você se afasta, ela se aproxima e promete que vai mudar, mas não muda, só piora. Acontece que essa dinâmica doentia vira um ciclo vicioso, que dura meses, anos ou décadas. A pessoa não cuida da relação, destrói seu emocional, mas não abre mão de você.

O tempo todo eu lido com essas queixas, seja nos atendimentos psicológicos, seja nos desabafos que recebo nas minhas redes sociais. Uma queixa que se resume nisto: ele(a) não me trata bem, mas não me deixa ir embora.

Há pessoas que amam saber que alguém gosta delas. O ego delas é massageado pela dor emocional do outro.

Mesmo sem ter condições ou interesse em retribuir o sentimento, elas nutrem a expectativa de quem está ali tentando se equilibrar nessa gangorra emocional que elas promovem na vida do(a) parceiro(a).

Um paciente me relatou que estava se relacionando com uma mulher havia mais de dois anos. Ela cobrava uma atitude dele no sentido de se assumirem de vez, ou seja, ela queria casar ou morar juntos. Ele fez uma manobra árdua para atender ao desejo dela. Isso exigiu dele uma mudança de cidade, de trabalho e uma série de burocracias.


Depois de tudo pronto, ela disse que não se sentia pronta para viver a dois. E o pior: ela não deu nenhuma explicação sobre a mudança de ideia. Simplesmente ficou fria e demonstrou que o entusiasmo acabou.

Ele me disse que só queria uma explicação para que ele pudesse se reerguer e elaborar esse luto, mas ela faz questão de manter o mistério.


No fundo, ela sabe que essa ausência de explicação o mantém ligado a ela. E é isso que ela quer: que ele não se desligue dela, mesmo tendo a certeza de que não vai ser recíproca. Eu acho uma baita covardia.

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.