Abra a porta, deixe ir! Não permaneça ao lado de alguém que não o quer mais

4min. de leitura

É impossível não sentir dor ao deixar ir, mas ainda mais cruel é permanecer ao lado de quem não o quer mais.



Deixar ir é tão importante quanto saber deixar entrar. O ciclo da vida funciona exatamente assim: rodas dentadas que se ligam a eixos, aos quais imprimem rotação e torque, transmitindo assim potência.

É a engrenagem da vida, onde emoção e razão conduzem o moinho de vento, que só gira equilibrado se tudo estiver em sintonia.

Deixar ir é buscar justamente essa sintonia que se perde ao longo de tempo, é também uma forma dolorosa de desapego, em que se abre a porta para que vá sem mais voltar.


Nunca tive medo de deixar ir, muito embora já tenha sofrido muito com algumas partidas. É impossível não sentir dor, mas é ainda mais cruel deixar estar onde não há mais espaço.

Quando a gente se diminui para que o outro caiba, é chegada a hora da despedida. O espaço se apequena e o que parecia confortável se torna uma cama de espinhos. E as feridas ficam abertas, em chamas, queimando tudo até que você deixe ir.

Deixe ir o que não cabe, o que já não colabora para a engrenagem da sua vida. Deixe ir o que lhe pesa a alma, o que não é de verdade, o que só aparenta ser.

Quando você deixa ir, apesar da dor que isso causa, você abandona junto uma boa parte do peso de quem vai embora. Da outra parte, você se livra com o tempo, pois sempre fica uma parte.


Com o tempo – esse rei das engrenagens –, o seu moinho gira no sentido certo. As despedidas limpam as rodas e os eixos para o fluxo da energia ficar mais transparente.

As pessoas morrem de medo do fluxo transparente, pois é desse jeito que se enxergam de verdade. E isso pode ser absolutamente doloroso. Porém, absolutamente necessário.

É preciso enxergar em vez de só olhar. Você olha tudo o que está guardado nos armários, mas não enxerga? É porque você só olha.

Só olhar não adianta. Olhar não lateja. Enxergar, sim. Limpe os armários, tire o que não se encaixa mais com o tom das suas paredes, com o piso que seus pés tocam.

Pegue tudo o que não é mais necessário para a sua engrenagem e, olhe só, não coloque debaixo do tapete, mas jogue fora. Abra a porta, jogue fora de uma só vez, que é para doer de uma só vez também.

Depois que a emoção triste de não ter mais aquilo guardado passar (sempre passa, viu?), você vai ficar leve e pronto para viver mais uma parte da vida, sem amarras.

Não é fácil deixar ir, mas não faz o menor sentido querer que fique o que não está inteiro. De migalha já basta o farelo do pão, esse que você limpa com os dedos úmidos de saliva.

Deixe ir, aprenda a deixar ir. Abra a porta para o que não cabe mais na sala de estar da sua vida.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

* Matéria atualizada em 05/06/2020 às 5:17






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.