ColunistasReflexão

Acalme-se, confie, solte! A felicidade sempre vem, quando aprendemos a relaxar…

subbotina 123

Estar ao léu, num misto de expectativa e desacreditação, prova algumas reviravoltas em nós. Porque é tranquilo saber que a vida vem com seus discursos variados, quando ainda se preserva um monólogo conhecido e confiável.



Este ano foi – e assim continua – especialmente diferente.

É como se nossas poções mágicas tivessem sido esgotadas, como se todas as caricaturas que fizemos durante toda a vida tivessem sido manchadas e que somente algo novo e desconhecido fizesse parte agora da nossa realidade. É como não ter mais as rédeas ou talvez a constatação mais sincera de que nunca as tivemos. É receber algumas chacoalhadas e deixar a vida acontecer sem muito pensar ou fazer.

Mais ou menos como caminhar, mas sem pressa de chegar, acalmar-se enquanto a poeira hesita em baixar e seguir acreditando no valor dos momentos compartilhados, que não avisam quando chegam nem se tem hora para acabar. É como não poder se programar, mas não deixar de acreditar.


É como não ver o sol, mas apreciar a claridade lá fora, como não enxergar a lua, mas aproveitar o brilho prateado ondulando nas águas.

É como não saber, não ter maneiras de verbalizar, mas tendo a certeza de que sempre o melhor resplandecerá. Num momento totalmente imprevisível, que une obstinação e entrega, o que nos cabe é respirar, acolher nossas imperfeições e reconhecer o que de fato nos faz mais inteiros e verdadeiros conosco.

É como nos sentir descortinados abruptamente, revirados e fragmentados pelas situações mas, ao mesmo tempo, nunca antes tão cheios de supremacia e acolhimento. Muito próximo das alegrias arquitetadas, pelo simples fato de deixar rolar, de nos despreocupar. Porque existem muitas cenas fora do roteiro, que são as responsáveis pelo sucesso da história.

Acalme-se, releve, esqueça! Atenue, acredite, amoleça! As melhores coisas aparecem quando a gente sabe parar, quando esquece do que ainda não veio e se perdoa pelo que não mudará.


Não importa o caminho, se for luz o que você carrega, inevitavelmente irá iluminá-lo, pois a felicidade sempre brilha, quando se consegue relaxar…

Este é o motivo pelo qual eu decidi me afastar de algumas amizades

Artigo Anterior

Seu coração quer, mas seu psicológico não aguenta mais

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.