Aprenda a sentir o fluxo da vida. Nem sempre o caminho que você quer seguir é o que Deus tem para você.

Na medida que criamos em nossa mente expectativas de como as pessoas e coisas devem ser, preparamos o terreno para sofrimento.

Quanto mais você acreditar que sua felicidade depende de uma combinação de eventos externos, mais vai experimentar a dor da diferença entre sua ilusão e a realidade.

A vida vai se desenrolando. Não só existe o desejo individual de cada uma dos incontáveis trilhões de entidades vida… 

Não existem só as forças da física em ação mexendo de átomos as galáxias…

Aqueles que começam a navegar em seu despertar…

Aqueles que percebem e já ativaram sua espiritualidade, sabem que existe a direção geral da força de Deus.

E aí tem você nisso tudo, achando que pode controlar seu destino. Fala sério, né?

Então, aprenda a sentir o fluxo da vida. Na China surgiu o conceito de sentir o fluxo do TAO. O exemplo clássico é da folha descendo o rio. Quando a folhinha esbarra numa pedra, o que ela faz? Tenta quebrar a pedra? Fica esbravejando de raiva porque uma pedra entrou em seu caminho? Não. Ela flui ao redor da pedra e segue seu caminho. Você pode fazer o mesmo.

Seu rio é seu propósito, seu dharma. Você vai fluindo na vida vivendo seu propósito, colocando em ação seus múltiplos dharmas que eu explico no livro “O Caminho 3T”. Você sente a corrente de sua essência e de viver seus valores. Exatamente onde e como vai fluir sua vida, os detalhes externos, isso não importa.

A folhinha não se importa se o rio vira para a esquerda ou para direita, se é fundo ou raso, rápido ou lento, nem que pedra ou tronco vai encontrar no caminho.

A vida fica muito mais fácil quando você desenvolve esta habilidade de deixar as coisas fluírem. Deixe entrar as pessoas que têm que entrar na sua vida e igualmente deixe sair as pessoas que precisam sair. Entenda como um “não” é igual a um “sim”, por apenas lhe mostrar o caminho que precisa seguir. Uma porta fechando nada mais é que um empurrão em direção à porta que precisa abrir.

Krishna enfatiza isso tanto na Bhagavad-gita. Praticamente a instrução mais repetida nos ensinamentos de yoga de Krishna é a importância de desenvolver equanimidade, que é justamente essa mentalidade de ver que tudo que acontece externamente é igual para você. O verdadeiro você está existindo dentro, fluindo na existência eterna da vida. Os eventos e situações a seu redor são apenas o pano de fundo de sua ação e estado de consciência, que permanecem sempre alegres e brilhantes ao viver alinhados com o dharma e seu amor divino.

Quando ficamos correndo para todo lado, começando e parando coisas, sem nos aprofundar em nada… estamos esparramando. O sentimento de frustração e confusão prevalece, pois a ação está sem fluxo, desalinhada. Isso acontece quando não entendemos nosso propósito.

No vídeo a seguir avanço ainda mais nesse conceito:

E a mensagem que fica é: 

“Descarte expectativas e concentre-se em quem realmente é: sua natureza profunda, seus dharmas, seus valores. Encare tudo que lhe acontece como uma oportunidade de expressar sua essência. Ao fluir com a vida, você se sente leve e feliz, naturalmente.”

Não devemos confundir fluir com esparramar. Fluir tem direção. Esparramar é perder força. Para saber mais assista a palestra ABRIGO E REFÚGIO EM DEUS, sobre a busca de proteção divina e como perdemos a conexão facilmente com o divino, quando a mente divaga para fora do aqui e agora.

*Tema extraído do livro O Caminho 3T – Autoaprimoramento e autorrealização em yoga

 




Deixe seu comentário