Aquilo que não pode ser dito e a criação de abismos no seu relacionamento

4min. de leitura

Você já viveu alguma relação na qual sentiu que não podia se expressar como gostaria ou dizer aquilo que pensa pois isso geraria algum incômodo, discussão ou desconforto?



Eu já! E é terrível. Quando isso acontece você se sente aprisionado dentro de você. E pior, a pessoa que o prendeu foi você mesmo.

São muitos os motivos que levam uma pessoa a aprisionar dentro dela aquilo que deseja falar.

Pode ser para evitar brigas, por estar conformado de que seu cônjuge ou a situação não vai mudar ou ainda, por não confiar muito em si mesmo e no seu posicionamento, por exemplo.


Mas será que vale a pena não falar sobre aquilo que o(a) representa?

Quando a palavra é sufocada o abismo que se cria na relação das pessoas pode ser irreversível.

Desde que nascemos somos pessoas que pensam e sentem. Nossos pensamentos se originam em crenças relacionadas às interações que desenvolvemos desde que nascemos e que ajudam a delinear nossa realidade.

Uma das formas de expressarmos quem somos e o que sentimos (aqui entram nossos medos, dúvidas, inseguranças, nossas certezas e desejos) está na palavra, nas ideias que comunicamos.


Nossas palavras são uma forma de nos posicionarmos frente aos outros e frente ao nosso mundo.

Quando você sente que não pode se expressar num relacionamento, isso sugere uma falta de acolhimento do outro. Além disso, quando você escolhe calar você se dispõe a abrir mão de uma parte sua para manter a relação.

Quando não nos sentimos acolhidos pelo outro com quem nos relacionamos, nós nos sentimos sozinhos.

Sentir-se sozinho junto ao outro é o começo da criação desse abismo, um abismo com o qual você concordou, ao abrir mão de partes de você, ao não falar sobre aquilo que você pensa.

Um abismo que pode aumentar muito com o passar do tempo ou com a intensidade das reações, de forma que você pode não saber mais como chegar ao outro lado.

Uma das nossas necessidades mais primárias é sermos ouvidos, escutados atentamente. Isso nunca vai significar que outra pessoa deva concordar com tudo aquilo que falamos. Simplesmente porque ninguém deve concordar com tudo aquilo que falamos, assim como nós não precisamos concordar com o outro sempre.

Ouvir, em essência, significa estar aberto para acolher aquela pessoa com quem nos relacionamos percebendo que o que ela diz é importante para ela.

Ouvir em essência cria pontes, conexões e é uma das únicas possibilidades de construção de relações saudáveis. Você escolhe falar ou calar?


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: fizkes / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

* Matéria atualizada em 27/02/2018 às 5:30






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.