Às vezes, a vida vem e joga na sua frente, de forma clara, seus limites

Limites? Todos nós temos! Saber reconhecê-los é autoconhecimento e consciência do próprio corpo e da vida.

Você reconhece e abraça os seus limites? O caminho de autoconhecimento deve ser diário, porque estamos em constante mudança. A cada dia você se conhece mais e tem a oportunidade de identificar seus limites. Para então, quando for possível, transformá-los, transmutá-los e superá-los, mas sempre essencialmente, aceitando-os.

Quando você aceita e acolhe seu ser por inteiro, sabendo que é luz e sombra, consegue mudanças incríveis. Quando você aceita isso, pode iluminar a sua sombra e expandir seus limites. Reconhecer seus limites é autorrespeito e autocuidado. Até que ponto você pode ir, quanto consegue aguentar, quanto consegue se expressar, quanto quer ou deve silenciar, quanto quer fazer ou quanto pode ir.

O resultado das suas escolhas mostra se você ultrapassou seus limites. O limite das suas escolhas se dá pelo nível da sua saúde. Seu corpo e seu bem-estar orientam você se chegou ao seu limite ou não. Seja ele mental, emocional ou físico. Se você se ouvir, preserve sua saúde e seu corpo. Quando não escuta, o corpo grita e tenta avisar que ultrapassou seus limites. Não se compare e nem condene os limites do outro, porque são baseados na vivência de cada um.

Você identifica seus limites? De que forma? Respire profundamente e observe-se. Às vezes, a vida vem e joga na sua frente, de forma clara, seus limites.

Em outras vezes, é preciso conversar consigo mesmo e identificá-los. Até que ponto consegue ou quer ficar em um relacionamento, em um trabalho, em um lugar, até que ponto consegue ou quer fazer algo, até que ponto você consegue ir. Com a clareza de que seus limites são seus, não podem e não são definidos por outra pessoa.

Os medos nos limitam também. E é preciso reconhecer quando sentimos medo e nos sabotamos. O quanto criamos limites que não são reais nas nossas vidas. Limites criados a partir do medo, de expectativas, de imaginar situações e esperar algo que nunca acontecerá e assim paralisar-se e dar voz aos limites criados pela mente.

Limites! Necessários por diversas vezes, respeitosos e cuidadosos, mas muitas vezes é possível e bom ultrapassá-los, superar-nos. Pular qualquer muro, quebrar qualquer barreira e ir.

Conhecer além da zona de conforto e ir ao desconhecido buscar novos caminhos e identificar novos limites, para então, ultrapassá-los!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF / teksomolika




Deixe seu comentário