ColunistasComportamento

Educar filhos é ensiná-los a voar

Educar filhos e ensina los a voar 1

Educar filhos é uma tarefa desafiadora e pouco discutida em programas de TV ou até mesmo dentro da escola.



Se você tem uma boa condição financeira e matricula seu filho na melhor escola de sua cidade, naquele colégio mais caro, mais requisitado e de prestígio, compra os melhores livros e contrata os melhores profissionais para aula de canto, música, balé, natação, se você tem capital suficiente para contratar as melhores babás, se compra os melhores presentes e realiza as festas de aniversário mais badaladas e ainda tem o privilégio de mandá-lo para o melhor intercâmbio do mundo, isso não significa que você está educando seu filho.

Educar filhos envolve, sem dúvidas, todo esse preparo, lazer e educação citados acima, mas envolve muito mais do que isso. O segredo para formar um cidadão sólido e bem preparado para a vida envolve muito mais do que a sua condição financeira, envolve mesmo é a sua presença, a sua presença de afeto, a sua presença de firmeza como pai, mãe, tia ou avó.

Educar filho exige que o educador responsável esteja em equilíbrio emocional, psicológico, educar filho requer equilíbrio e a necessidade de que o educador também seja educado, “preparado”, se não fica um jogo, duas crianças ou dois adolescentes competindo, e se adoecendo.


Educar filhos vai muito além de matriculá-los em boa escola, é necessário ensiná-los a voar, e ensinar a voar é prepará-los para o voo da vida, é ensiná-los a enfrentar adversidades.

Educar é ajudá-los a lidar com a frustração, como o medo e com o fracasso, educar de verdade é ensiná-los a andar sem babás e até sem os próprios pais, porque pai e mãe não é para sempre, ensiná-los a voar como águias é prepará-los para o mundo.

Não educamos os filhos para nós, educamos para o Universo, para as galáxias.

Queremos que nossos filhos sejam advogados, cientistas, que eles conquistem um espaço na sociedade, projetamos nossas frustrações em nossos filhos, às vezes, exigimos demais, então o emocional deles não aguenta e se dilacera.


Formamos seres humanos frágeis, que viram adultos imaturos, dependentes, megalomaníacos, depressivos, cheios de preparos para o mercado de trabalho e despreparado para a vida, para as crises, para as guerras mundiais e políticas, adultos que não sabem viver sozinhos, e muito menos sabem lidar com a morte de entes queridos ou ou resolver crises de relacionamentos, conflitos menores.

Educar é amar, e amar é ajudar seu filho a desenvolver empatia, e desenvolver empatia é mostrar as regras, não só da sua casa, é mostrar para eles que o mundo lá fora também tem regras a serem seguidas.

Seja consistente e ame incondicionalmente, seja um porto seguro, ensinando como eles podem se sentir seguros sozinhos.

Plante confiança, esse é o verdadeiro princípio da educação: desenvolver a confiança e a independência emocional.


Você não merece um homem mimado! Relacione-se com quem sabe ouvir “não”

Artigo Anterior

Este dia pode até guardar algo de ontem, mas o dia é novo, não há outro igual

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.