ColunistasPais e Filhos

Ela reclama e implica muito comigo!

Neste final de semana, fui visitar uma professora querida que está doente. Como tenho muito apreço por ela, aceitei o convite de sua filha para almoçar com a família.



Quando cheguei em sua casa, observei o olhar de minha professora e de sua filha, com quem eu tinha estudado durante dois anos na universidade. Abracei-a e perguntei se estava tudo bem com a saúde de sua mãe.

Respondeu-me: Minha mãe está bem e melhorando gradativamente! Eu é que estou assustada com suas reclamações, lamentações e implicância comigo!

Continuou: Minha mãe mesmo doente não mudou em nada! Eu moro super longe daqui e venho somente para vê-la, mas ela não dá valor nenhum a isso! Qualquer coisa que peço para ela é uma reclamação sem fim, e as reclamações nada têm a ver com sua doença! Parece mais um hábito para valorizar as coisas que faz!


Eu, não resistindo à pergunta que ecoava em minha cabeça, indaguei:

– Isso tem a ver com o comportamento da sua mãe ou com o seu?

Ela arregalou os olhos, expressando surpresa e perguntou-me: – como assim? – Você sabe que minha mãe está doente!

– Eu sei, mas qual é a relação entre sua mãe estar doente, o comportamento dela e o seu?


– Ué… eu queria que ela mudasse, já que ela está doente. Só isso.

Ouvindo a resposta, perguntei: – E você está disposta a mudar?

A resposta dela foi veemente: – Eu não preciso mudar, afinal eu sou filha! Estou cansada de ser a boazinha e fazer o papel de mãe!

Ouvindo a resposta, fiquei pensando quantas coisas tinham nessa fala que mereciam reflexão, tais como:


– Será que o comportamento dela tinha alguma semelhança com o da mãe?

–  Como assim, ela estar fazendo o papel de mãe?

– O que ela estava ganhando e perdendo em ser sempre boazinha?

–  Ela queria que a mãe mudasse, e ela mesma?


Nesse momento minha professora aproximou-se, serviu um saboroso café, conversamos bastante e relembramos os velhos tempos de escola.

Na hora de despedir-me, a filha incomodada com as perguntas que eu havia feito, pediu-me para continuarmos a conversa em outro momento.

Eu certamente concordei, aproveitando para explicar a ela o quanto uma conversa qualificada, via processo de coaching, poderia ajudá-la em novas descobertas, consciência, escolhas, bem como a encontrar suas próprias respostas, possibilitando construir novos objetivos e alcançar melhores resultados em situações/relações pessoais e profissionais.

_______


Direitos autorais da imagem de capa: stockbroker / 123RF Imagens

É preciso reciclar o coração. Um amor não é capaz de curar outro!

Artigo Anterior

Sem roteiros prontos e finais felizes, a vida não é filme, ainda bem!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.