ColunistasReflexão

Eu mudei, estou centrada na vontade de Deus e menos preocupada com o que não vale o meu tempo

Eu mudei estou centrada na vontade de Deus

Eu mudei muito nesta vida. Mudei mesmo.



E não foi pelo tempo nem pelas circunstâncias, foi pelo coração, pelas vezes em que ele acreditou demais, confiou demais e amou demais também.

Essas mudanças não foram planejadas; aconteceram. E, junto com elas, fui disciplinando os meus sentimentos e a minha visão em relação a cada pessoa que entra em minha vida e sai dela.

Este ano de 2020 foi um treinamento para mim, e as experiências que fui adquirindo já me dão motivos suficientes para dizer que necessariamente precisamos nos cuidar e nos proteger de tudo aquilo que chega para nos distrair afetivamente.


Aprendi, de um jeito bem doloroso, que não é o tempo que nos apresenta o caráter de uma pessoa, são suas atitudes, e que nem todos vão estar com a gente, nem todos vão nos defender ou ser ombro amigo, nem todos vão fazer pela gente o que já fizemos por eles, nem todos nos serão leais e verdadeiros.

Aprendi também que não precisamos prejudicar ninguém para nos sentir fortes ou capazes, e que há três verdades que vão sempre incomodar a mente daqueles que não sabem respeitar sentimentos: a minha, a dele e a que Deus viu e ouviu e, sem dúvida alguma, a terceira opção é que prevalecerá sempre.

O ano ainda não acabou, há uns meses pelas frente ainda, mas algumas coisas eu já dei por encerradas.

Estou em uma nova fase, vivendo momentos inesquecíveis e abraçando novas oportunidades que, a meu ver, vão muito além do que imagino ainda.


Meu telefone fica de canto, sem tempo para quem nunca quis minha atenção, sem um toque especial para quem sempre me deixou em segundo plano, sem pressa para atender quem pouco fez questão da minha presença.

Cresci de maneira tal que abri uma lista para os “tanto faz” na minha agenda diária e passei a priorizar o que realmente é importante para mim. Hoje eu sei exatamente o que quero e, embora alguns contratempos afetivos que vez ou outra surjam, eu ainda me mantenho equilibrada diante dos tantos sonhos que pretendo realizar.

Sei quem é para a vida toda, sei quem me conforta a alma e sei quem é de verdade do meu lado também.

Enfim, estou mais madura, mais centrada na vontade de Deus e menos preocupada com tudo o que não vale meu tempo, meu pensamento nem minha atenção. Que o mundo dê suas voltas. 


 

Publicado Originalmente em Cecilia Sfalsin.

Não é egoísmo partir, depois de você ter avisado mil vezes que estava machucado

Artigo Anterior

Depressão: superar e falar sobre isso ajuda outras pessoas

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.