A infância nunca morre! fica guardada, como todas as preciosidades, dentro do baú mais precioso: o nosso coração!

5min. de leitura

Dilemas do tempo – A infância nunca morre!

No espelho do tempo não me encontro mais. Não encontro mais a criança que fui um dia, só a encontro em meu interior porque o meu ser criança ainda pulsa dentro de mim… Lembro-me de tantas coisas… Ah… Como era bom ser criança, como era bom viver a fantasia de saber que os contos de fadas poderiam ser reais e que as pessoas poderiam ser sempre humanas!



E não pensem que vivo de passado não, apenas sei dar valor às lembranças porque são as memórias que nos fazem enxergar o quanto já vivemos e o que vivemos. As lembranças são as marcas do tempo que ficam em nós, que vivem em nós e nos alimentam, mostrando que voltar ao passado nem sempre é ruim…

A passagem dos anos também traz dilemas com os quais temos que aprender a lidar…

Abaixo, escrevo em versos alguns “Dilemas do tempo”, com os quais tive que aprender a lidar e ainda busco saber enfrentá-los da melhor maneira possível:


Dilemas do tempo

Quando era criança, podia pensar o que quisesse

Agora, não me atrevo a pensar tudo que me vem à mente

Certos pensamentos podem não ser para mim!


Quando era criança, podia falar tudo o que pensasse

Agora, tenho que tomar cuidado com o que falo

Certas ideias são perigosas!

 

Quando era criança, eu podia sorrir de tudo

Agora, tenho que escolher a hora certa para sorrir

Certos sorrisos podem ser mal interpretados!

Quando era criança, projetava meu futuro

 

Agora, prefiro regressar ao meu passado

Certas infantilidades são mais interessantes que muitas adultilidades!

Quando era criança, simplesmente era feliz

Agora, tenho que buscar ser feliz

Certos sentimentos não se acham facilmente!

 

Quando era criança, tinha muitas soluções

Agora, parece que só tenho problemas

Certos problemas parecem não ter solução!

Quando era criança, podia esquecer

Agora, sou obrigada a lembrar

Certas coisas são importantes demais para serem esquecidas!

Quando era criança, só pensava em viver

Agora, só vivo pensando

Certos pensamentos são a vida em si!

 

Quando era criança, queria estudar

Agora, às vezes estudo sem querer

Certos conhecimentos não podem ser deixados em segundo plano!

Quando era criança, não me importava com o tempo

Agora, o tempo é tudo o que importa

Certos prazos sempre vencem!

 

Quando era criança, eu queria crescer

Agora, se pudesse, voltaria a nascer

Mas, certos tempos nunca voltam!

(Patrícia Souza)


O passado me alimenta, mas não volta e isso é fato. Sinto falta da infância perdida e de tudo que deixei para trás nessa jornada de caminhar rumo à vida adulta.

Todos nós sentimos falta da criança que fomos um dia e da infância que alimentava nossas mais inocentes ilusões de ser e estar num mundo que ansiávamos por descobrir…

Mas, apesar de ter perdido minha infância, devido ao tempo que é implacável, não perdi a criança que ainda existe dentro de mim: a criança que sorri das pequenas coisas, que tem vontade de descobrir coisas novas, que ri dos seus próprios tombos, que cai, mas não desiste de caminhar!

A minha criança interior nunca morreu e isso é o mais importante porque quando carregamos a criança que fomos um dia dentro de nós, a nossa infância nunca morre, apenas está guardada, como todas as preciosidades, dentro do baú mais precioso: o nosso coração!

______________

Direitos autorais da imagem de capa: lusya / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.