3min. de leitura

Já tive fases mais intensas, já fui como a Lua, hoje eu só quero paz, apoio e segurança vindos de mim mesma

Eu vim de um fase que tudo o que eu queria era viver.


Cada toque importava, cada cheiro, sabor, momento. Eu era sentimento vivo, inexperiência ligada ao desejo de viver. Senti a vida transbordar em mim, senti magia e paixão, paguei o preço por algumas escolhas, contestei a vida e a razão da existência.

Hoje não tenho lágrimas retidas, mas escolho não ser mais de lua ou como o vento, talvez eu precisasse das fases para inventar a própria identidade. Tenho orgulho da minha história, mas eu cansei da busca; desejo paz.

O que eu buscava?

Não faço ideia do que eu olhava de forma tão obstinada, não sei se eu queria chegar a algum lugar ou fugir de algo, pode ser que ambos representassem a mesma coisa, talvez um mecanismo de defesa para aquelas coisas que eu não achava fácil.


A grande verdade é que o que eu procurava apenas alimentava a minha insatisfação. Eu decidi, a partir de agora, olhar para a vida com tranquilidade, aceitar-me como sou, só assim posso melhorar. Decidi-me por um movimento mais passivo em relação à vida.

Eu buscava intensidade em pessoas, festas, noitadas, trabalho, idealizações, eu busquei muito, mas nunca estava satisfeita. Eu nunca estava lá. Demorei muito para entender que não queria intensidade, não queria algo que estava fora de mim, eu queria eu mesma, queria muito poder me apoiar.

Autossatisfação

Hoje eu desejo paz, passividade, busca interior, quero me curar dos abraços que não me dei, das vezes que me enganei, que me maltratei. Descobri que tenho estado satisfeita comigo, tenho respeitado a minha história, entendo minha identidade, gosto de mim. Hoje quero mais do que tudo me apoiar, aceitar, quero aceitar a vida, só assim ela fluirá.


Já tive fases como a Lua, fui intensa, conectada com o mundo; hoje eu tenho paz, um apoio e segurança vindos de mim mesma.

Eu demorei para entender que só compreendemos a vida quando nos conectamos conosco mesmos. Hoje compreendo. Hoje me entendo.

 

Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Amor: 123RF Imagens.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.