publicidade

Lealdade é uma qualidade dos corações puros. Seja prudente. Nem todos são verdadeiros!

“Você não conhece uma pessoa enquanto não tiver comido, com ela, um prato de sal.” (Provérbio russo)



Não amamos as pessoas porque elas parecem bonitas aos nossos olhos, nós as amamos porque as enxergamos. Obviamente, a admiração vem com o tempo e o amor surge da admiração, da forma como enxergamos alguém.

Da mesma maneira, o tempo será o guia para que possamos distinguir quem estará lá por nós. É muito fácil sentar a uma mesa onde há fartura e opções de escolha. A opção, a diversidade saltam aos olhos.

Mas assim como os mosquitos se guiam e se inebriam pela luz, também haverá pessoas que nos circundarão quando estivermos em nosso brilho máximo. Assim como as vespas sobrevoam as mesas onde há alimento, haverá os porcos que rastejarão para comer os restos. E assim que não restar mais nada, darão as costas e voltarão para seus chiqueiros.

Banquetes são dignos de reis. Porém, para chegar ao posto de rei, é preciso herdar o trono ou lutar por ele. Nem todos conseguem. Alguns nasceram com espírito da nobreza; outros serão apenas a corte. E, na corte, há muitos bajuladores. E isso é um fato.

Assim como na História e nos filmes que retratam bem a História, um rei corre o risco de ser traído até pelos seus mais fiéis aliados. O excesso de confiança em si mesmo, em seu poderio faz você ignorar o perigo iminente. Comumente, foram surpreendidos por um ataque mortal pelas costas, num ato vil de covardia.


Muitos foram ameaçados e se viram obrigados a abdicar de sua coroa, e então, sem capa, honra, coroa, viram-se modestos nas vestes de um reles camponês. Histórias de reis e rainhas sempre são marcadas por perdas e ganhos, lutas, vitórias, derrotas. Todas elas trazem um profundo convite à sabedoria, cautela nas escolhas, ao cuidado minucioso em se ciceronear por cavalheiros e donzelas bem-intencionados e honrados.

Mais que deter o cetro do poder, mais do herdar títulos, é sobre saber fazer um bom juízo.


É muito fácil sentar-se a uma mesa com um rei, uma rainha, onde há um banquete, e se assentar no trono da fartura. Mas, e se só houver para comer um prato de sal? E se o trono for num casebre, uma choupana? E se a charrete for uma bicicleta? E se o rei não tiver um dente de ouro, terras, gado, plantação, um cofre pomposo?

A real é que a roda gira. Assim como o rei pode virar da noite para o dia um sapo, o sapo pode virar da noite para o dia um rei. Nesse dia, haverá grande festa de júbilo e gozo no palácio real, mas agora o rei, que já sabe como é viver como um sapo, está mais sábio. E agora já sabe escolher com cautela seus convidados, convidados que, cuidadosamente, escolheu para partilhar do seu banquete, assim que retornou de uma longa jornada após um longo período de lutas externas e dentro de si mesmo.

Esse provérbio russo é um dos mais inteligentes que já li. Sem sombra de dúvida, uma reflexão de suma importância para os dias de hoje. Dias em que há abundância de fel e ausência de mel, em que há o sórdido jogo de poder e de interesse.

Lembre-se bem: nem todos são dignos de suas conquistas. Seja prudente. Nem todos são verdadeiros. Junte-se aos companheiros sinceros e divida com eles as vinhas colhidas nos tempos bons e nos tempos maus. Um companheiro leal mantém-se ao seu lado em dias sombrios. Ele não sabe se o sol voltará a despontar no horizonte. Mas, como um cão de guarda fiel, senta-se ao seu lado e, resiliente, espera.

Lealdade é uma qualidade intrínseca aos corações puros e sinceros. Uma qualidade rara, que poucos detêm. Quer tirar a prova real? Simples. Na dúvida, faça o teste do prato de sal.

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.