ColunistasPais e Filhos

Meu pai nunca me disse “eu te amo” e isso faz toda a diferença na minha vida

“eu te amo” de um pai
“eu te amo” de um pai

Um “eu te amo” de um pai, dentro da criança, reverbera como um “eu sou capaz de ser amado.”

O homem mais importante da vida de qualquer pessoa é o pai. Primeiro pela ideia de concepção da vida. Sem ele não nasceríamos. Segundo pela proteção e suporte na mais tenra idade, onde somos incapazes de viver por nós mesmos. E essa conjectura de vida faz com que criemos esse laço fortíssimo. E, por isso, ser amado e reconhecido pela figura paterna é vital para a nossa sobrevivência e para a forma como vamos encarar o mundo desde a infância.

Não adianta usar a desculpa do duro trabalho para sustentar a casa. Nenhum filho pediu para nascer, portanto não é um favor provê-lo da melhor maneira possível. Qualquer conceito machista também não serve, porque um filho homem necessita de carinho e afeto para desenvolver uma autoestima forte e uma personalidade tranquila e agradável.

Quando um pai evita dizer “eu te amo”, seja por orgulho ou vergonha, ele pode mandar diferentes mensagens para a criança, como a ideia de uma competição dentro de uma relação que deveria ser de amor incondicional.

Segurar amor significa dizer que a outra pessoa não o merece, que se considera muito melhor para se declarar, mesmo que seja o contrário. Por isso o filho se sente inferior diante do pai e da vida. Por mais coisas que conquiste, nunca se sentirá suficiente, porque sua busca eterna será pelo amor do pai. Essa contradição interna pode lhe causar muitos problemas emocionais e de relacionamentos, uma vez que o valor que temos de nós mesmos vem principalmente do valor que recebemos dentro de casa.

Rebeldia, malcriação, desobediência, mau humor, manias negativas podem ser um forte indicador de que o filho não consegue ver o amor que os pais sentem. Tenha em mente que mimar e fazer tudo que seu filho deseja, pode ser a forma que um pai encontra de se livrar da culpa por suas falhas e limitações, e qualquer criança sabe ler isso.

Porque o amor é um sentimento, não um presente caro ou uma autorização equivocada. Então, quando um filho se comportar mal, antes de dar-lhe um castigo, dê-lhe amor, de verdade.

Sim, filhos precisam de abraços, beijos e atenção. Eles necessitam de elogios, não só para criarem autoconfiança, como também para entender qual o caminho certo, que têm valor e não estão sozinhos.

A autoridade do pai também é importante, não para medir forças, mas para dizer que existe alguém que o ama tanto, que até se impõe para protegê-lo e evitar que ele prejudique a si mesmo. Autoridade de pai é orientação. Talvez ele faça birra e não entenda conscientemente, mas dentro dele uma fortaleza se erguerá preparando-o muito melhor para a vida. Depois, dê um chamego, um colo e diga “eu te amo”. Brinque com ele um pouco para que entenda que um erro não o define, principalmente porque a infância é o momento de tropeços e aprendizagem.

Todo filho, mesmo que não aceite, tem a figura do pai como a mais importante da vida. Quando ele é amado, mais do que amar de volta o próprio pai, ele é capaz de se amar muito mais. E esse é o principal objetivo de uma criação. Não apenas receber o retorno em gratidão do filho, mas fazê-lo amar a si mesmo o suficiente para desenvolver-se em uma pessoa incrível e feliz!

Porque um “eu te amo” de um pai, dentro da criança, reverbera como um “eu sou capaz de ser amado.”

Então, quando alguma travessura do destino quebrar o coração do seu filho, é a certeza desse amor que sempre irá consertá-lo. E isso faz toda a diferença na vida!


Direitos autorais da imagem de capa: pexels