publicidade

Meu saldo de amor tem limites!

Mesmo que o amor seja um sentimento inesgotável, abundante, próspero e de todas as suas qualidades infinitas, nas relações humanas possui certos tipos de limitações quando apenas doado e não recebido. Pois aquele que muito deposita o seu amor na conta do outro acaba ficando com o saldo baixo, se não houver a contrapartida. E nesse caso, pedir empréstimo de amor não vai resolver sua fatura final, pois o débito ainda vai existir -senão maior que o saldo devedor inicial, e a sensação de estar no vermelho não será solvida.



Empréstimo nesse caso seria achar que qualquer graça ou mínima atenção do ser amado seja suficiente para quitar sua entrega, ou então a busca por outras pessoas que nada lhe acrescentam para satisfazer uma carência instantânea e conseguir com isso uma prova de autoestima.

O amor por alguém é algo mais envolvente, latente, de nos fazer querer estar sempre perto, por mais tempo juntos, cuidado e entrega, sentimento além ternura, da sensação do ser completo.

Porém, se as faltas dele fazem com que você se sinta esgotado, perceba onde você está investindo todo o seu bem precioso.

Falar que ama, apenas, não é depósito de amor, é cheque em branco. A gente nunca sabe a quantia real a ser depositada. Não é palpável e pode ser garantia sem fundo.

Amor com saldo real mesmo é aquele que vem com atitudes, demonstrações de carinho, de importância e prioridade. De cuidado e atenção. Não quero dizer que amor seja puramente exclusividade, mas que se ambos estão na mesma frequência amorosa, seja então respeitado este sentimento que os une.


O medo pode fazer esse movimento ser paralisado, ou a falta de atenção pode prejudicar aquele que está disposto a se doar.

Porém, de nada adianta depositar amor se não contarmos com o saldo positivo do amor-próprio. Aquele montante essencial à nossa sobrevivência, autoestima e dignidade. Sem ele, a conta fica negativa e tudo o que temos é a garantia de amor do outro.


Não vale a pena abrir mão do próprio amor por conta de terceiros, pois se algo no parceiro não lhe agrada e isso te traz até mesmo um sofrimento, é importante ter um saldo para recuar e se cuidar.

Entendo que ninguém é perfeito, falhas e faltas existem, estamos todos no aprendizado, mas é importante saber distinguir e se orientar quando a limitação do outro chega a nos prejudicar, a nos ferir.

Compaixão é necessário, mas além disso, ter amor-próprio é passo primordial para amar o próximo e a maior prova de maior com nós mesmos.

Atitude de desamor consigo nos coloca em sintonia com o desamor do outro. Estabelecer limites nítidos é um ato de amor por si mesmo. Não ter limites transmite aos outros a mensagem de que você quer ser tratado de forma ilimitada. Ninguém é ilimitado.

Os limites alimentam nossa totalidade e mostram ao outro quem você é onde você está. Delimitar o próprio espaço, além de trazer proteção, aumenta ainda mais nossa energia e amor no nosso espaço sagrado.

Se quem entra no nosso espaço também souber dar seu amor, aí teremos algo bonito de se ver e viver. Uma luz se acenderá de amor ilimitado para ser consumido.

Fora isso, mais vale perder um amor por falta de cuidado que perder a dignidade por falta de amor-próprio.

__________

Direitos autorais da imagem de capa: zigf / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.