ColunistasAmor-Próprio

Minha alma não tem idade, tem a gratidão por cada livramento que recebeu de Deus

vasile stancu HS6 iZZsNvw unsplash

A maturidade me ensinou a trocar o sapato gasto, a deixar a vida em pratos mais limpos.



Ela me mostrou que não preciso viver atrás de ninguém, que não preciso de coisas que não são essenciais, que ter a própria companhia é coração de quem já se adaptou ao que precisa, sem fazer drama, sem esperar nada de ninguém.

A maturidade fez o coração deixar de ser usado, manipulado, fez-me crescer por dentro, apesar dos remendos. Nem tudo se salvou, nem tudo agradou, nem tudo foi amor.

A maturidade mostrou que aquele “para sempre” mudou o caminho e que já não é tão interessante viver à sombra de ninguém.


Palmas para mim, que cortei tantos males pela raiz, que não tive medo de bater de frente com as controvérsias do tempo, que freei o sentimento destrutivo de gente sem respeito. Eu me quebrei, me refiz, me perdoei. A minha casa interior ficou mais silenciosa, o saber de Deus, a cura emocional, a desistência do que não faz bem.

É maturidade, sim. Valeu a pena crescer, valeu lutar pelo meu espaço, valeu cada aprendizado.

Minha alma não tem idade, tem a gratidão por cada livramento que recebeu, tem espaço para ser.

Não sinto inveja, não tenho nada contra ninguém. A única coisa que peço dentro de mim é luz para acender o espírito, perdão para minhas faltas.


A maturidade trouxe sequelas e descobrimentos. É maturidade consciente, é maturidade de quem já tombou e se levantou.

Mesmo assim, agradeço. Agradeço por tudo. Assim seja, graças a Deus!

Não odeie seu passado. Ele te fez amadurecer e chegar até aqui

Artigo Anterior

Não seja o “de vez em quando” da vida de alguém

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.