Moça, não se culpe, essa ruptura foi necessária



Moça, eu sei que você está sofrendo muito, seu final de ano está bem cinzento. Sei que tinha muitos planos, você compartilhou comigo toda a euforia envolvendo o seu relacionamento que chegou ao fim hoje. Sei que está destroçada emocionalmente e completamente perdida.

Você acreditou que dessa vez seria diferente, não é? Lembro-me de você dizendo que ele era um cara diferente de todos os outros que passaram pela sua vida, você sorria com os olhos quando falava do amor de vocês.

Você me mostrou algumas conversas de vocês, os áudios repletos de amor que ele lhe enviava, confesso que acreditei também que você, finalmente, tivesse encontrado o seu parceiro de vida tão idealizado.

Depois de um tempo, começaram a surgir algumas crises, você se queixou algumas vezes que ele se mostrava inseguro e possessivo, e que se incomodava muito com a sua espontaneidade, justamente o que despertou encanto nele quando vocês se conheceram. Vi que você se esforçou ao máximo para transmitir confiança a ele, percebi em meio a tudo aquilo, a profundidade dos seus sentimentos por aquele homem.

Acontece que as coisas foram mudando o rumo não é, moça? O homem  tão gentil e romântico começou a querer podar as suas asas, ele passou a mudar o tom de voz e o discurso sempre que se sentia enciumado. Foram várias vezes em que ele se mostrou intolerante e controlador, e você fez de tudo para contornar a situação e mostrar que ele estava equivocado.

Por fim, você se cansou, não é? Por mais que você tenha se desdobrado para transmitir segurança a ele, nada funcionou. Lembro-me do dia em que você me ligou, aos prantos, dizendo que ele cismou que você tinha um caso com um amigo seu de décadas, apenas porque você curtiu algumas fotos no instagram do rapaz, lembrando-se de que ele era especialista em encher as fotos das amigas virtuais de coraçõezinhos, todo galanteador. Foi muito desgastante aquilo tudo, mas você persistiu acreditando que as coisas se ajustariam. Bom, pelo menos você tentou, não é?

Eu sei que você está desorientada, mas procure se acalmar. Sabe de uma coisa?

Nem todo mundo tem capacidade para lidar com um amor real, existem pessoas que são especialistas em estragar o que está bonito, como dizem no popular, tem gente que gosta de procurar chifre em cabeça de cavalo.



“Tem gente que machuca a gente, tem gente que não sabe amar”. Talvez, para esse moço, o amor seja uma gaiola, mas você é uma borboleta encantadora, você já viveu em gaiolas e sabe o quanto apavora a ideia de voltar para aquele lugar novamente.

Você não precisa se culpar por essa ruptura, pois fez tudo o que estava ao seu alcance, você nunca mediu esforços, e nunca perdeu a oportunidade de demonstrar tudo o que sentia. Sim, ele era recíproco no sentimento, mas fazia questão de desviar a atenção de tudo o que você fazia e focava em detalhes que ele alimentava com a insegurança, o ciúme e a necessidade de controlar.

Moça, dê um tempo ao seu coração, deixe que o tempo há de promover uma ventania que vai varrer para longe toda essa angústia. Tenha paciência, você já enfrentou tantos temporais, lembra? E saiu viva e fortalecida de todos eles.

Aprenda a viver com o que você possui, pare de criar expectativas em cima de situações que não dependam só de você.

Abra as suas asas, experimente uma viagem sozinha, refaça os planos, mude a rota, mas, por favor, não se abandone, está bem?

Antes que eu me esqueça: para um parceiro inseguro e controlador, nada que o outro fizer será o suficiente para ele se sentir amado, então, relaxe, abandone qualquer culpa que possa estar sentindo.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / lightfieldstudios






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.