ColunistasRelacionamentos

Não existe o “homem ideal”. Isso é ilusão. Vou te explicar o porquê

Andre Furtado

O melhor é querer um homem que, com as características de homem, possa nos entender com nossas características femininas.



Existe homem ideal? Quer dizer, existe gente ideal? Ah, esse conceito de ser ideal já é complicado desde a teoria. Imagine se a gente começa a fazer a lista de como é um parceiro ideal. Vou falar de homem porque, em tese é, minha cara-metade.

Gosto muito de ler sobre comportamento, e nessa caminhada li um livro chamado Marketing to Women, de Martha Barletta, que consegue fazer uma análise das diferenças de atitude de homens e mulheres.

Como estamos falando de homem ideal, resolvi citar essa passagem para deixar claro que o papo pode ser mais cabeça do que a gente imagina. Para começar, ideal é aquilo que a gente acha que é bom do nosso jeito. Então, cientificamente, já será impossível achar a tal cara-metade.


Segundo a autora do livro, as mulheres valorizam pessoas e time, já os homens valorizam seu crescimento individual. Então é claro que numa casa onde existe, pai, mãe, filhos, às vezes, sogra e amigos, a mulher lidera por enxergar o time.

Mas nós queremos um homem ideal, que olhe o todo da casa, o problema de cada um, e que no final veja como é eficiente nossa administração doméstica.

Nós conseguimos pensar em várias coisas ao mesmo tempo e temos a capacidade de integrar coisas novas, já eles pensam em uma coisa de cada vez. Aí eles chegam em casa, cansados do trabalho como nós, e lhe pedimos para dar atenção ao filhote mais novo, que está carente, consertar a antena da TV que caiu com a chuva e dar um beijinho de boa noite, já que fazem semanas que não conseguimos passar umas horas juntinhos. Você acha que ele consegue mesmo? Claro que não, a gente é que consegue. E lá vai o homem ideal para o brejo de novo.

A vida é como um quebra-cabeça, e nós mulheres temos o dom de integrar as diferentes partes desse tabuleiro, enquanto nossos companheiros só conseguem ver as partes separadamente.


Nessa mística, nós sempre achamos que o homem ideal é aquele que faz o que a gente quer que ele faça, e o erro está exatamente nisso. O melhor é querer um homem que, com as características de homem, possa nos entender com nossas características femininas. Assim unimos talentos diferentes, como numa equipe de trabalho.

Às vezes, transportar para casa as ferramentas de trabalho pode dar certo, porque lá no ambiente hostil e competitivo desenvolvemos habilidades que podem nos deixar mais coerentes com nossos objetivos pessoais. Se temos paciência com nosso superior, que costuma ser agressivo, quer dizer que desenvolvemos a habilidade da paciência. E usar isso em casa pode mudar nossa vida.

Nós, mulheres, geralmente queremos conhecer cada detalhe da história, enquanto os homens querem apenas as manchetes e, se forem interessantes, eles vão pedir os detalhes. Pode ser um exercício saudável colocar na manchete tudo o que você precisa dizer objetivamente e sem rodeios, pode simplificar a relação e adiantar o lado dos dois.

Ser ideal me parece ilusório, mas ser real pode ser uma boa saída para a insanidade coletiva que vivemos hoje.


Viver é agora, é já! É a live de cada um, com muita presença, alegria e gratidão!

Artigo Anterior

Deus está em tudo, o Seu agir em nossas vidas é constante

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.