ColunistasAmor

Nasce uma estrela: uma história de amor que não envelhece

nasce uma estrela
nasce uma estrela

Tudo passa, mas algumas pessoas, mesmo ausentes, ficam para sempre.

Um artista renomado se apaixona por uma aspirante ao estrelato e acaba por levá-la à fama, enquanto sua vida pessoal e sua carreira entram em franca decadência, devido ao seu vício em álcool e drogas. Na versão mais recente, os amantes chamam-se Jackson e Ally. Este é o mote que embala o enredo de “Nasce uma estrela”, filme que já teve quatro versões, sendo a mais recente, de 2018, estrelada por Bradley Cooper e Lady Gaga.

Interessante notar que todas as versões da história obtiveram êxito, cada uma a seu tempo. As versões se revestem do contexto e da roupagem do momento em que são filmadas e todas conseguem alcançar os corações do público, ontem e hoje.

Isso porque se trata de uma história de amor atemporal, cujas características sempre serão contemporâneas. O amor, aliás, nunca sai de moda.

Vários elementos com que nos identificamos se encontram ali: a paixão à primeira vista, um talento escondido, a conquista do sucesso profissional, a perda de si mesmo, o não conseguir lidar com tudo o que a vida traz, amar e não conseguir ficar junto. A trilha sonora primorosa só vem contribuir com a força desse encontro, que se vai tornando desencontro, distância e sofrimento, enquanto Jackson não se liberta de seus fantasmas, apesar do sentimento arrebatador que lhe toma os sentidos.

O público se identifica com a história e seus desdobramentos de imediato, em grande parte porque relacionamentos amorosos, na vida real, também são assim: difíceis, complicados, embora surpreendentes. As personagens são humanas como nós, sofrem como nós, sonham e amam como nós, sem perfeição intacta. Vícios e paixões humanas, em seu estado bruto, encontram-se ali, desnudados: ambição, inveja, cobiça, egoísmo, fraqueza, competitividade. O que se vê na tela é o que se vê na vida.

Jackson não consegue digerir sua história, não faz as pazes com seu passado, não perdoa, não se perdoa e, dessa forma, perde-se de si, sem volta.

Por mais amor que sentisse por Ally, por mais que fosse amado por ela, acabou percebendo que não poderia mais ajudá-la, após ser catapultada ao estrelato. Percebendo-se um entrave, um obstáculo à vida de Ally, então desiste.

Certamente, o que cativa mesmo é a capacidade que o amor tem de mudar vidas para sempre, de transformar as pessoas, tornando-as melhores e mais confiantes de tudo o que possuem e podem fazer. Nem todas as histórias de amor possuem um final feliz, mas todas elas possuem momentos felizes e inesquecíveis, todas elas nos trazem aprendizado, força e novos olhares sobre o mundo.

Tudo passa, mas algumas pessoas, mesmo ausentes, ficam para sempre.