Ninguém é de ninguém é o que há de mais sincero nas relações

Ninguém é de ninguém. E essa frase não é apelativa para cair na gandaia ou mesmo sinônimo de “agora pode tudo”. Ninguém é de ninguém é o que há de mais sincero nas relações. Em qualquer que seja o nível dessa relação.

A gente aprende desde pequeno que precisamos aprender a dividir. Entretanto, o melhor seria que desde o começo fossemos sensibilizados a compreender que nada é nosso, seu ou meu. Essa ideia de dividir implica posse. Implica dizer que um dia algo que estou aprendendo a dividir, em algum momento era meu. E não é. E não foi e não será.

Quando se aprende a dividir antes de compreender que nada é meu, logo, aí está uma das possíveis origens prováveis para o ciúme. Só tenho ciúme porque acredito que algo ou alguém, um dia, foi meu.

Por muito tempo eu acreditei mesmo que o ciúme era bom, mas em pequenas doses. Só que eu estava muito enganada. Na verdade, observei que quanto mais ciúme eu sentia, mais afastava de mim, o outro.

Quando a pessoa com quem você se relaciona se interessa por outra ou por outro, o natural caminho é a gente reclamar o nosso suposto direito de posse. Isso não envolve você. Isso não se trata de você. Isso apenas acontece. Como se tivéssemos um contrato, usamos do ciúme para tentar reverter a situação, usando-o para demonstrar o nosso amor.  Temos inclusive a coragem de afirmar que ninguém vai amar como a gente ama.

Isso não significa que deixamos de ser especiais, únicos ou o bastante. Isso só significa que a outra pessoa se interessou por outra pessoa. E isso pode acontecer inclusive com você, que está lendo esse texto. Vamos deixar nosso coração comandar e permitir que todos possam ser felizes e realizados.

O ciúme leva a situações críticas. Em Big Little Lies, uma série de televisão, vemos a dificuldade de um casal onde o marido enxerga a esposa, personagem de Nicole Kidman, como uma adversária e tem por ela um sentimento de posse doentio, mascarando as suas reações como sendo ciúme e medo de perdê-la. Na série, é uma relação abusiva. E o ciúme pode levar a essas situações.

Ciúme não é amor. Aquilo que disseram que um pouquinho de ciúme é bom, na verdade, não é. O ciúme mata. Mas essa morte é muito mais interna e se relaciona aos nossos sentimentos sobre a nossa capacidade de amar e de confiar no outro e em si próprio do que qualquer outra coisa.

Há pessoas que gostam que o outro demonstre ciúme para se sentir importante e único. Esse sentimento não demonstra amor. Dentre todas as coisas que o ciúme pode demonstrar é, sim, uma grande insegurança. E insegurança nasce da falta de conhecimento de si próprio e de um amar a si mesmo antes de qualquer outro amor.

O ciúme se aproveita dessa sombra que deixamos de conhecer dentro da gente e abre um buraco enorme dentro do peito, onde o sentimento de posse e, de certa maneira, a vaidade tomem conta dessa relação onde devíamos trabalhar o amor e deixamos que tudo desça ladeira abaixo. Ninguém gosta de se sentir preso. Então, não podemos permitir que coloquemos em prática a tentação de manter o coração do outro em cativeiro.

Sendo assim, ninguém é de ninguém. Logo, quando acontecer de você ou do outro se interessar por outra pessoa, o sofrimento será menor porque teremos um entendimento diferente sobre o motivo de estarmos na relação.

Quando essas coisas acontecem, penso sempre que o que falta muito é aquele exercício do espelho em que nos olhamos frente a frente e praticamos aquele olhar pra dentro. Muitas vezes, as relações ficam turbulentas ou duram tão pouco porque pouco nos conhecemos. À medida que nos conhecemos, temos a tendência de nos aproximarmos de pessoas que permaneçam conosco por mais tempo e até tempo que não se pode contar. São as tais relações maduras.

O ciúme está sempre pairando no relacionamento e a gente não pode deixar que ele tome conta do espaço que pode ser ocupado por cumplicidade, por carinho, por atenção, por empatia, por parceria, por risadas gostosas, segredos divididos só entre você e a outra pessoa, que criam os laços e trabalham os afetos.



Direitos autorais da imagem de capa licenciado para o site O Segredo: dmvasilenko77 / 123RF Imagens




Deixe seu comentário