publicidade

No fim do dia, a gente percebe que não adianta querer ser perfeito, só é preciso se aceitar e seguir

Eu deveria ter uns 8 anos de idade, não me lembro ao certo, quando fui apresentada ao que eu chamo de “teoria da elasticidade”.



Era uma aula de balé clássico, meio lúdica, meio técnica. Eu sempre fui uma das mais altas da turma, e com essa idade já alcançava a parte mais alta da barra.

Em um dia qualquer, mesmo insegura, decidi que era hora de me desafiar e fazer a sequência na parte mais alta. Minha professora não questionou o quão preparada eu estava, talvez por ver que “eu dava conta”. Eu detestava barra, mas sabia que a evolução no balé clássico começava ali.

Segui na minha escolha. Minha panturrilha queimava enquanto uma das minhas pernas deslizava pela barra. Senti minha virilha como nunca antes. A cada repetição, deslizava um pouco mais, até onde a dor parecia ser suportável.

Nesse teste de limites, minha professora decidiu participar. Forçou meu quadril para dar mais amplitude no exercício, meu corpo respondeu bem mas, no fim da aula, eu chorei no banheiro.

“Segura a dor, delicadeza no braço. Fica.” A eternidade das sequências na barra me matavam. “Dor é evolução.” Anos depois, quando saí da meia-ponta para a ponta, tudo piorou, inclusive as dores. Meu pé sangrava, o tornozelo inchava com as torções, eu caía no meio da sequência, a perna tremia, tinha de começar a sequência de novo, enfim, o corpo parecia não encaixar mais. Dores. Muitas dores. A frustração de não conseguir um solo na apresentação. “Você precisa se esforçar mais.” Nunca parecia ser suficiente. O esforço ou a dor.


Até que um dia eu quebrei. Não aguentava mais sentir dor todos os dias. O meu descanso ativo era no esporte. Eu saía da aula de balé e ia para o clube terminar o dia em um esporte qualquer. Era um alívio sentir dor depois de uma aula de basquete, por exemplo.

O que chamo de “teoria da elasticidade” veio muito tempo depois, já adulta, em uma pauta de trabalho. Na academia, passei por uma sala de balé vazia e pedi para entrar. Prontamente, tirei meu tênis. Éramos eu e barra novamente. Revivi uma breve sequência de deliciosas, porém dolorosas, lembranças.


Não somos infinitamente elásticos. A gente quebra. A gente cria limites para superá-los depois. Aprendemos a suportar dor, a aceitar situações, a lidar com o tóxico, aprendemos a resistir sem reagir.

O balé me tornou uma pessoa muito mais resistente, mas também me mostrou que, na “teoria da elasticidade”, a gente estica demais, mas quando a gente solta e deixa, a vulnerabilidade sobe no palco e nos apresenta a imperfeição do movimento.

No palco, a apresentação flui, apesar de a luz cegar você. Dentro da sapatilha, o dedo sangra, a bolha estoura, o calo dói.

A gente não precisa superar limites, suportar dores, aceitar algo. A gente pode descer do palco, arrumar as coisas, apagar a luz e fechar a porta.

No final do dia, a gente percebe que não adianta ser perfeito, quiçá, resistir ou reagir. Só precisa ir embora.

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.