ColunistasReflexão

Nunca desista do que o faz sorrir sozinho

Nunca desista

Faz um tempo já que as coisas andam meio pesadas.



Nos últimos anos, muita reviravolta nesse mundo acontece por todos os cantos, colocando-nos à prova emocionalmente. É como se, a cada manhã, a gente ficasse com medo de abrir o jornal, de ler os noticiários.

Fica tão complicado viver assim e ainda tentar carregar esperança dentro da gente, enquanto lá fora tudo navega meio à deriva.

Porque não dá para fugir do que está acontecendo na vida, no mundo lá fora. Todos acabamos influenciados pelo que nos rodeia e por quem nos rodeia. E, no contexto atual, há muita notícia ruim e muita gente ruim em volta de todo mundo.


Nesses momentos de crise e inquietação, as pessoas deixam aflorar o seu melhor e o seu pior. E esse pior de muitos é assustador, o que provoca desesperança em pessoas que deveriam lutar.

Sim, a gente tem de lutar todo dia. A vida sempre foi luta e, mesmo que, por vezes, a calmaria seja mais constante, a história de cada pessoa é repleta de enfrentamentos, de pendências e obstáculos.

Ainda que ultimamente os dias estejam por demais desesperançosos e pesados, nunca houve um momento em que alguém não estivesse enfrentando uma luta fora ou dentro de si. E, se agora nos pedem mais força, temos que tentar.

A gente precisa focar no que traz felicidade, há sempre algo ou alguém que nos salva. O ronrom do gatinho, a cauda abanando do cão, a mensagem do livro, o sorriso do amor, o piano, o pandeiro, o amigo, a oração.


A gente precisa se cercar do que traz conforto, do que traz paz. É necessário guardar a esperança bem junto do coração e não deixá-la escapar. Porque nós vamos sobreviver, cada vez mais fortes, mais gente de verdade, mais gente grande. Com a grandeza que já repousa dentro de cada um de nós.

Somente lutando pela felicidade é possível atravessar tudo isso sem parar pelo caminho. A gente tem que chorar de alegria mais do que de tristeza. Sentir frio na espinha de prazer mais do que de medo.

Acelerar o coração de esperança mais do que de desespero.

A gente merece ser feliz. Nunca desista do que o faz sorrir sozinho.


 

Publicado originalmente em Prof. Marcel Camargo.

“Me vejo mãe em algum momento”, diz Mariana Ximenes sobre congelar seus óvulos aos 40 anos

Artigo Anterior

Ao ver que filho praticava bullying, mãe o manda para a escola com blusa escrito: “Eu sou um valentão”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.