O medo que mente para nós… – lidando com os medos do cotidiano:

5min. de leitura

E quem nunca sentiu medo? O medo é uma sensação que quase todos nós já experimentamos em algum momento da vida, portanto ele é natural, desde que não nos bloqueie viver e alcançar nossos sonhos.



O medo é um tema que está quase sempre presente nas queixas de quase todos e principalmente das pessoas que chegam até meu consultório de psicologia, sendo consumidas daquele medo que apavora, paralisa, impede e angustia.

Podemos dizer que existe o lado bom do medo, que é aquele que nos protege dos perigos reais da vida, porém o lado ruim do medo é quando ele fica desproporcional e acaba limitando a vida e impedindo que você não viva da maneira como gostaria. O medo muitas vezes nos impede de realizarmos situações cotidianas e até mesmo de realizarmos o que almejamos.

o-medo-que-mente-para-nos-capa-e-dentro


São tantos os medos que fica até difícil de enumerar: medo de dirigir, medo de morrer, medo do escuro, medo de não ver os filhos crescerem, medo de fracassar, medo de ser rejeitado, medo de envelhecer e por aí vai. Às vezes as pessoas até acostumam a viver com o medo, porém uma coisa é certa: o medo não pode te impedir de fazer o que você deseja, como por exemplo, trocar do emprego que não está feliz, iniciar um relacionamento com alguém, etc.

Se vivermos a vida nos afastando da grande maioria dos impedimentos que nos deparamos, corremos o risco de nos afastarmos totalmente de nossos objetivos. A única forma de falhar é desistir. Todo o resto é uma experiência de aprendizagem.

Comece entendendo e assumindo para você mesmo do que tem medo, O segredo é trazê-lo para a mente consciente e questioná-lo, buscando entender suas origens e de que modo ele o afeta. Geralmente quando decidimos enfrentar nossos medos, percebemos que no afinal não era assim tão assustador quanto parecia. O medo tem mentido para nós frequentemente, inventando histórias que nunca vão acontecer, que não passa de ser ilusão criada pela própria mente. A boa notícia é que nossa mente não é completamente consciente.
Já ouviu dizer que a mente mente para nós a todo momento?


A grande maioria não percebe que o medo em si é algo que é totalmente interno à própria mente. Não é algo real, embora possa sentir-se de forma bastante real quando se sente no nosso corpo, mas você não pode apontar para algo e dizer: “Isso aí é o medo, está logo ali, cuidado ou ele pode te pegar”.

Desperte dos condicionamentos passados, aqueles que têm lhe colocado medo, o ser humano em si é neutro e vazio, porém nossa mente está condicionada em pensamentos que fogem do presente, criando situações que nunca vão acontecer. Sintonize no presente para que os condicionamentos não usem o Ser e sim para que o Ser faça uso deles.

O ponto de poder está sempre no hoje. Só o presente pode trazer novas sensações e mudar o curso da sua vida. Aceitar o aqui e agora são a chave para a mudança. Quando perceber que pode escolher, começará a olhar para trás e entender que fez o melhor que podia. Presos ao passado, só iremos reviver essas limitações e repetir o padrão antigo.

Ganhe autoridade de seus medos controlando seus pensamentos, pois eles podem ser controlados, identificados e principalmente enfrentados. Recuse que eles o controlem, faça o teste para que eles comecem a enfraquecer.

Se o que você está sentindo não é bom, busque entender as raízes de onde vem seus medos e faça uma lista das coisas que você o amedronta. Após isto tente pensar na primeira vez que ele surgiu, o que sentiu, como foi e crie um novo significado questionando se realmente são situações reais e que podem vir acontecer. Pense numa estratégia e coloque-a em ação.

mulher-com-medo

Todos medos podem ser mudados e ressignificados. A mente e os medos estão estruturados pelas nossas experiências, frustrações e situações vivenciadas. Por isso, é claro que não vamos criar nada novo se não nos livrarmos dos medos antigos e torturantes.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.