O perdão é um poderoso remédio que cura nossas feridas e traz alívio para a alma

6min. de leitura

O perdão precisa ser espontâneo, uma graça que Deus nos dá. E deve sair de dentro de nós a decisão de perdoar, não podemos esperar pelo outro.



O perdão é um remédio, ele pode até ter um sabor amargo, mas traz alívio para a alma e faz um bem danado.

O perdão nasce da nossa decisão, da nossa vontade, é uma decisão de amor, uma escolha, um verdadeiro remédio para a alma. O perdão é nosso, ele precisa ser espontâneo, uma graça que Deus nos dá. E deve sair de dentro de nós a decisão de perdoar, não podemos esperar pelo outro.

O perdão age dentro de nós como num processo de cura, uma cauterização que vai ocorrendo de dentro para fora. Se estou buscando o perdão ou perdoando alguém, é porque houve uma história, é porque temos lembranças, algumas feridas talvez e consequentemente cicatrizes. Mas essas cicatrizes permanecem, são as lembranças, a garantia de que temos uma história e, nesse caso, a palavra “cura” aplica-se perfeitamente, pois se houve houve uma ferida, o perdão sobre essa ferida evita o surgimento de novas doenças.


Sim, com toda certeza, a falta de perdão pode levar a uma série de doenças, e não apenas físicas, mas espirituais e emocionais também.

Perdoar o outro é uma tarefa muito difícil, mas necessária. É preciso coragem para olhar para o outro por trás da máscara de vilão que ele carrega, mas é preciso ter mais coragem ainda para nos vermos por trás da máscara de vítima.

É preciso sim muita coragem para dizer a quem me machucou, mesmo que em pensamento: “Eu o liberto de dentro de mim, você está livre para ser feliz, você não me deve mais nada.”

Durante o exercício do perdão, é fundamental reconhecer a necessidade de pedirmos desculpas aos que ofendemos. Se perdoar pode ser uma tarefa muito difícil, pedir perdão é mais difícil ainda. Se perdoar exige uma decisão do coração e da vontade, pedir perdão exige arrependimento, e isso é algo que precisamos aprender com clareza e praticar com persistência. Se perdoar exige uma decisão do coração e da vontade, pedir perdão exige arrependimento.


No livro “Gotas de cura interior”, do padre Léo, no exercício do perdão e do pedido de perdão, cinco gotas são de fundamental importância:

1. Reconhecer que fomos ofendidos ou que ofendemos.

2. Tomar a decisão de perdoar e de pedir perdão, apesar dos sentimentos ou dos desejos.

3. Expressar o perdão por meio de palavras faladas ou por escrito.

4. Tomar a decisão de não comentar os erros da pessoa nem o fato que provocou a ofensa.

5. Permitir que Deus mude nossos sentimentos e cure nossas emoções negativas.

Hoje em dia, depois de tantos estudos e comprovações, podemos afirmar que a cura de uma raiva, um medo, da própria ansiedade, de um sentimento de solidão, tristeza ou culpa, além de tudo o que constitui o nosso desequilíbrio emocional e psíquico, depende de perdão.

Mas, e quando nós precisamos nos perdoar? 

Perdoar a mim mesmo é a coisa mais difícil! Particularmente, acredito ser mais fácil perdoar os outros. Devemos perdoar a nós mesmos pelas nossas faltas, pecados, limites e por tantas outras coisas. Precisamos aceitar nossos limites e fraquezas, aceitarmo-nos como somos, mesmo que não nos aprovemos.

Lembremo-nos dos nossos grandes objetivos de vida. A mágoa distorce os objetivos. Esquecemos as grandes e permanentes verdades e nos guiamos por momentos. Qual é mesmo a minha grande meta?

Perdoar pode ser uma tarefa árdua e longa, e desistir de tudo pode parecer mais fácil. Mas não é o mais correto. Somos todos humanos e passíveis de erro, e devemos sempre nos colocar na posição do outro: “Quanto eu gostaria de ser perdoada, se eu cometesse o mesmo erro que cometeram comigo?”

Talvez precisemos abrir mão do orgulho ferido para conseguir perdoar.

O perdão tem uma capacidade enorme de restaurar sentimentos bons que, na maioria das vezes, por algum motivo, foram esquecidos no passado. O perdão é a maior prova de amor e o caminho para o arrependimento do outro. Ele constrói pontes onde a mágoa cavou abismos, mas também tem o poder de estreitar o relacionamento onde o ressentimento provocou o afastamento.

Perdoar, palavra forte… Perdoar é lembrar-se de momentos sem sentir dor, é uma graça que Deus dá a todos que a buscam de coração sincero.

 

Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Amor: Lina Trochez/123RF Imagens.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.