publicidade

Para que exercitar o corpo se ele não está a fim?

Uns meses atrás me peguei tendo uma DR daquelas com o meu corpo. E, apesar de eu saber que aquela conversa não nos levaria a lugar algum, eu parei, sentei e ouvi.



Vida saudável, alimentação balanceada, queima de calorias, exercícios físicos. Para tudo! Quem disse que eu pedi? Não me venha com essa conversa de que é para o meu próprio bem porque essa é uma decisão cem por cento sua.”
E nesse vai-e-vem, essa relação tem durado mais de 30 anos. A mente sempre querendo fazer da parceria uma sociedade de sucesso. E o corpo lá, literalmente fazendo um mole, dando uma de joão sem braço, colocando o pé na jaca… Não é à toa que todas essas expressões referem-se às partes do corpo.

PARA QUE EXERCITAR FOTO 01

Eu leio reportagens em revistas, programas de saúde, converso com quem fez acontecer e conseguiu resultados surpreendentes. Mas não há nada mais convincente que uma foto antiga para que a gente entenda o recado: é hora de se exercitar. A gente vai, faz matrícula, compra tênis novo, roupa colorida, squeeze personalizado, mas na hora H, joga a toalha. Boxe, step, jump, jazz, dança do axé, dança de ritmos, até que faz a dança da chuva para não precisar acordar cedo e ir no terceiro dia de academia.

Deus, eu estava tão empolgada e justo hoje chove! Hoje chove, amanhã está quente, depois tem sereno e depois de depois de amanhã é sexta. O fim de semana está chegando e é bom começar só na segunda, porque é na segunda-feira que se pega firme. E assim a gente percebe que é tarde demais. Tudo isso porque a cabeça foi lá e fez sozinha, sem o consentimento do corpo. Não perguntou porque já sabia a resposta. NÃO.


Mas foi nessas idas e vindas que o relacionamento entrou na linha. Uma bicicleta surgiu. Não foi de supetão, foi devagarinho. Um passeio aqui, uma voltinha até ali. Uma magrela salvou a parceria e restabeleceu a paz. No começo eram apenas trajetos mais curtos e logo veio o desafio: ir até o trabalho uma ou duas vezes na semana.

Confesso que foi um desafio mesmo: ter que pensar no que levar na bolsa – isso inclui roupas, calçado, acessórios e cosméticos –, na troca de roupa, em como tomar banho, no clima de Joinville que não dá folga para a chuva, no tempo de deslocamento, no trajeto e na segurança ao pedalar boa parte de um caminho sem ciclofaixa. Entrar no carro, girar a chave e ligar o ar condicionado era muito mais tentador porque o corpo adora mesmo é o estado de repouso.


PARA QUE EXERCITAR FOTO DE CAPA E FOTO 02

Antes de viajar para a Europa, vendi várias coisas com pouco uso ou que ficariam paradas, mas a bicicleta ficou lá, guardadinha esperando a minha volta. Quando o tempo longe de casa vai passando, a gente deixa de sentir falta de coisas. O que aperta mesmo é a saudade das pessoas. Mas aquela danada faz falta!

Eu não andava de bike há pelos menos 15 anos, mas ela voltou para a minha vida. Eu adotei o hábito ao perceber que pedalar não é somente um exercício físico. É um benefício individual e, principalmente, coletivo. Para o corpo e para a mente.

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.