ColunistasReflexão

Pausas são necessárias. Um respiro, uma dádiva. A vida acontece aqui e agora

Pausas são necessárias

Impossível falar sobre a liquidez do tempo sem citar Bauman e sua genialidade.



Seu questionamento sobre durabilidade é válido mas, pelo menos para mim, parece raso demais diante daquelas vivências que nos levam à beira da eternidade.

O tempo é uma linha tênue.

Para os desavisados, o modo automático parece sustentar a linearidade inventada como engrenagem. Para os despertos, a presença é a autorresponsabilidade de cocriar a nova realidade.


Líquidos e vulneráveis. Líquidos e um tanto perdidos. Quase sempre resistentes, pouco resilientes. Não julgo quem recorra ao vinho. E também sempre existe um chá de alguma coisa que acalme.

A natureza é sábia. Respira. Um gole.

O tempo precisa de tempo. Expansão. Provavelmente, boa parte da humanidade não esteja preparada para essa conversa, já que preferimos a limitação das 24h – aquela história velha conhecida: “O tempo é o mesmo para todos.” Como se a igualdade fosse algo real. Sabemos, não é.

O tempo é múltiplo. O tempo faz perguntas o tempo todo. Como pode melhorar mais? O tempo é o copo meio cheio. O tempo, apesar de líquido, não é perdido. Perdido somos nós, que quase sempre optamos por ser a engrenagem que encaixa. Escolhemos a mente, que mente.


O tempo não é encaixe, é energia. Como está a sua?

Outro gole. Não à toa, faz tanto sentido o “da água para o vinho”. Não importa como, lembre-se, somos líquidos e mutáveis.

“Tempo, tempo, tempo, tempo, és um dos deuses mais lindos…”

O novo tempo já começou, sei também que é o tempo certo. Não é tarde, é só mais tarde…


Hoje eu acordei pronta para receber a luz de Deus. Fiz minha prece e disse “amém”!

Artigo Anterior

Querido Deus, dá-me nesta noite o Teu conforto sagrado que me restaura em lençóis de luz

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.