ColunistasComportamento

As pessoas vão falar de você, com motivo, sem motivo, elas vão apenas falar.

Fui condenada, mas sou inocente.



Eu fui condenada por não ser como as meninas de capa de revista, por casamento nunca ser um objetivo em minha vida e por apesar de querer um dia encontrar alguém, não fazer disso a coisa mais importante da minha vida, eu fui condenada por ser feliz sozinha, por gostar da minha companhia.

Eu fui condenada por estudar, por criar opinião, por não abrir mão dos meus sonhos, por ser uma pessoa emocionalmente independente, ou seja, a minha vida quem traça sou eu, meus amigos quem escolhe sou eu, na minha vida as escolhas quem faz sou, e isso também significa que meus problemas, seja com quem for, quem resolve sou eu.

Eu fui condenada quando ganhei um CID, que seria diferente, especial, deveria desistir de alguns sonhos, que minha vida iria durar pouco, vi pessoas se afastarem, e terem medo de mim porque meu fígado se recusava a trabalhar como devia.


Fui condenada por me afastar de pessoas que quando eu mais precisei se afastaram de mim, pois  eu sempre achei que quem não te ajuda a levantar, não merece ser convidada para o baile.

Eu fui condenada quando emagreci, engordei, troquei de religião, quando abro a boca seja para dizer amém, namastê, ou laroiê. Eu fui condenada quando disse não gostar de Carnaval, fui condenada até quando pirei. Eu fui condenada, mas sou inocente de tudo que me acusam, sou inocente, sou apenas eu.

As pessoas vão falar de você independente do que acontecer, com motivo, sem motivo, elas vão apenas falar. Por isso não se preocupe com o que dizem ou as condenações que carrega. Não precisa, e nem queira agradar aos outros, isso é impossível, também aceite que nem todos vão te agradar e a maioria das pessoas vão te machucar, mas cabe só a você saber quem vai perdoar quem vai ganhar mais uma, duas, três, milhões de chances que seja.

Apesar das condenações que carrego, eu bato no peito eu grito: eu sou inocente, eu sou apenas eu, por isso pode gritar, olhar-me de cara feia, ou com um sorriso amarelo, falar de mim quando não vejo isso não me assusta. Eu assumo minhas histórias, com vitórias e derrotas, aceitei o que não podia mudar e fui trilhando o caminho para a minha felicidade, mesmo que às vezes tivesse que retirar algumas peças e refazer o caminho. Então eu fui condenada, mas sou inocente


______________

Direitos autorais da imagem de capa: ammentorp / 123RF Imagens

Filhos não vêm com manual de instrução!

Artigo Anterior

Hoje eu me sinto mais forte, mesmo algumas vezes estando fragilizada por dentro.

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.