publicidade

Recolha-se do mundo e retorne mais sábio!

Com tantos ruídos no pensamento e sentimentos entrecortados dos tempos atuais, é comum que nos sintamos confusos e conflituosos conosco mesmo. A alma parece se encolher e o raciocínio estagna, não conseguindo mais ver a sua volta soluções para determinados problemas.



As madrugadas são de intensa desarmonia de ideias por conta da inquietação de acusações e cobranças que fazemos a nós mesmos, as horas passam e se demonstram impiedosas perante a insistente visita da insônia; o dia amanhece e o conflito interior só se acentuou.

Há muita gente falando, opinando, oferecendo, ensinando, magoando, descartando, ligando, indo e vindo e nos sentimos em meio a uma grande praça pública, onde os passos ritmados de quem passa, nos tonteiam, e então perdemos o fôlego, a respiração quer parar, o coração palpita mais forte, a garganta saboreia o amargor da secura e os olhos paralisam no vazio.

Eis que o mundo provavelmente está te afligindo nesse momento em que você se encontra sem forças para continuar e sem a compreensão necessária que lhe ajudaria a ir adiante.

Léu das situações, aos volteios que se seguem. Inundaram teu jardim com dor e perdição e você não percebeu, porque estava atarefado com o ganhar do pão, com o bem estar da família, com a satisfação do chefe, com o problema da amiga ou dívida do amigo, com o quê vestir para aquela festinha do fim de semana, com a solução rápida de emagrecimento, com o próximo capítulo da novela, quem casou ou descasou, qual é a última fofoca que está circulando, com o número de curtidas do facebook e instagram, e com isso e tantas outras coisas que tem regido inutilmente nossas vidas. Sim! Nós permitimos todas essas coisas e outras mais, todos os dias!


Com isso, quero fazer uma breve analogia com um trecho do conto Amor de Clarice Lispector:

“(…) A rede perdera o sentido e estar num bonde era um fio partido; não sabia o que fazer com as compras no colo. E como uma estranha música, o mundo recomeçava ao redor. O mal estava feito. Por quê? Teria esquecido de que havia cegos? A piedade a sufocava, Ana respirava pesadamente. Mesmo as coisas que existiam antes do acontecimento estavam agora de sobreaviso, tinham um ar mais hostil, perecível… O mundo se tornara de novo um mal-estar.’’ 


Com o despertar da consciência, surgem os enjoos, o desinteresse e até mesmo um certo desespero de que tudo vai perdendo graça e, consequentemente, você somente segue o fluxo. Lhe digo então, caro leitor: Não! Não siga o fluxo! Não seja robótico! Não reaja no automático. Recua, desacelere, desligue-se, desconecte-se, silencie-se, se recolha do mundo e tenha um panorama de fora do círculo. Dar meia-volta na vida não é fraqueza e nem mesmo estupidez, essa atitude denota que tens força para recomeçar de maneira mais cautelosa e sábia. Eu também sou como você, que pôde ou não ter se identificado com esse texto; e num dia em que conflitos aparecem e nos encurralam, pude escrever uma poesia com esse trecho: “De recomeços, as cinzas se recolhem e moldam nova criatura.” (Charlene Santos).

Ouça em seu recolhimento o que suas aflições querem lhe dizer e ensinar, se atente ao que sua alma quer te mostrar para que seu retorno ao mundo não seja em vão. Não sejas abrigo do descontentamento. Seja equilíbrio para você e para os que lhe cercam. Ressurja das cinzas sempre que necessário.

Charlene Santos

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.