ColunistasReflexão

Recomece sempre, em outro lugar, com outras pessoas… Ouça a sua intuição e vá!

brad pearson u1Ed iVXAqs unsplash

Eu sempre acreditei que a vida é movimento, é sair da inércia, é se permitir. Talvez por isso eu não goste muito de rotina, de viver o mesmo dia várias vezes, entendem?



É necessário se desintegrar. Às vezes, aquele momento, no auge dos seus 30 anos, quando você se vê com uma vida estabilizada, profissão escolhida e exercida com tranquilidade, quando você percebe que alcançou os seus objetivos, esse é o momento. Jogue tudo para o alto, faça novas escolhas, aprenda novas coisas, mude de casa, de empresa, de amor e corte de cabelo.

Reinvente-se, já dizia o poeta:

– Isso é viver, é aprender.


Recomece em outro lugar, com outras pessoas, novas culturas e novos hábitos.

Por que devemos limitar nossa vida? Porque, quando conseguimos o que queríamos, não nos damos a chance de recuar e tentar outra coisa, não nos damos a oportunidade de mudar de opinião, de música ou bebida preferida.

Nós nos julgamos e nos prendemos a um conceito do tipo: lutei tanto para chegar até aqui, agora não posso largar. Pode, sim, sempre pode. Lutamos para conquistar determinadas coisas e depois de conquistadas, o que faremos? Devemos viver estagnados, presos à ideia de que finalmente conseguimos, e isso basta.

Não acho que esse seja o caminho, acredito que toda conquista é como se fosse uma estrelinha na testa colocada pelo nosso ego. Não pense que isso é ruim, na medida certa, isso é maravilhoso, mas e depois?


Não deixe a vida passar, não espere um velho ou novo desejo bater à sua porta, levante-se e vá atrás, bata você à porta dele. Não existe idade para mudar de ideia, de gostos, de vida.

As pessoas costumam se enganar, elas se convencem de que não podem mais fazer ou ser, porque já passou o tempo. Na real, isso é uma grande dose do mais puro medo, não que ele não deva existir, pois deve, sua existência é importante e essencial para todos, acredite, porém deixá-lo nos impedir é covardia, covardia com suas vontades, covardia com seus interesses.

A felicidade é um estado de espírito, ninguém é feliz o tempo inteiro – e nem deve ser. Os sentimentos existem para serem sentidos, cada um com sua lição, cada um deles nos traz experiências diferentes, que no final se complementam e completam ciclos da forma que tem que ser.

Correr atrás do que quer assusta mesmo, esse trajeto é cheio de incertezas, inseguranças e frustrações, mas já parou para pensar em quantos sorrisos, histórias, momentos, pessoas e descobertas esse mesmo caminho pode lhe trazer? Talvez você nem chegue ao final dele, pode ser que no meio apareçam novas bifurcações e você escolha ir para o outro lado. E está tudo bem também.


Não quero dizer que mudar seja uma regra da vida, apenas que sempre temos opções de modos de vida. Viva a sua como achar melhor, faça do seu dia o melhor dia da sua vida e, no dia seguinte, repita esse feito, arrisque-se ou não, dê ouvidos à sua intuição e vá!

Para mim, a única regra da vida é viver, independentemente da forma que escolher fazer isso, faça o bem a si mesmo e aos demais, mate sua sede e das suas plantas, olhe-se com carinho, assim como olha para aquela foto antiga, alegre-se ao se olhar no espelho, assim como o seu cachorro ao ver você chegar, divirta-se igual ou até mais que seus filhos, quando tomam banho de chuva.

Recue e avance quantas vezes achar necessário, assim como as ondas do mar e, no final, eu sinceramente desejo que, na sua testa, existam galáxias, e galáxias das mais belas estrelas colocadas por você mesmo.


Confie em Deus! Com Ele ao seu lado, ninguém conseguirá deter você!

Artigo Anterior

Personalidade flutuante: muda a cada minuto para tentar agradar aos outros!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.