ColunistasComportamento

Responsabilidade afetiva é o ato de tratar com empatia e respeito os sentimentos do outro

priscilla du preez xM4wUnvbCKk unsplash

Comprometimento real. Responsabilidade afetiva.



Ser transparente com as pessoas, deixar claro o que se deseja, as suas intenções. Ser sincero. Ter cuidado com os seus e com os sentimentos de todas as pessoas. Tratar com o máximo respeito, empatia e seriedade o sentir do outro, isso é responsabilidade afetiva.

Responsabilidade afetiva é o ato de tratar com empatia e respeito os sentimentos do outro, seja ele quem for. Ter total consideração. Não desqualificar os sentimentos dos outros, diminuir, criticar, porque não são os seus. Compreender, independentemente de tudo. Acolher. Aceitar.

Cada um tem uma forma particular e única de sentir; respeito com todas as pessoas é imprescindível.


Comprometa-se em ser verdadeiro, em expor aquilo que realmente sente e, se não sente, não invente que sente algo somente para manipular as outras pessoas para os seus interesses e objetivos, as pessoas não são objetos, merecem ser respeitadas como seres humanos.

Jogue limpo em qualquer situação, cada pessoa tem o direito de escolha e de agir segundo as suas vontades e interesses. Não se pode obrigar ninguém a agir e aceitar o que acha melhor. E se você tem o direito de agir como quer, o outro também tem seu direito.

Deixe as pessoas muito à vontade para serem como querem ser. Não imponha seu desejo, sua forma de pensar, querer ou sentir. Cada um é livre para ser como é.

Pode ser que o outro não esteja preparado para viver algo como você quer e se sente melhor. Precisa entender isso.


As pessoas são como podem ser, e não como você gostaria que fossem. Você é como pode ser e não como os outros gostariam que fosse.

Não force nenhuma barra. Não deseje que o outro ultrapasse suas possibilidades para embarcar em algo que não acredita, só porque você quer e porque considera algo natural e até bom. Cada um tem suas propriedades, possibilidades. O que para você é bom, para o outro pode ser uma agressão.

Não ultrapasse o limite de ninguém porque para você pode ser confortável.

E se alguém de sua relação vier lhe dizer como se sente, de acordo com uma atitude sua, ou de acordo com o próprio sentimento, ouça-a, dê-lhe atenção, respeite-a. Se a pessoa lhe diz que não consegue viver algo que você está lhe sugerindo viver, respeite-a, entenda, não a invada.


Apoie, compreenda e seja alguém diferente neste mundo tão estranho. Alguém que, mesmo que não sinta o que o outro sente, se coloque no seu lugar e compreenda, tenha empatia, compaixão, solidariedade, e não critique nem julgue ninguém.

Cada um tem os seus motivos, suas vivências, suas necessidades, cada um precisa saber de si.

Siga o seu caminho, seja fiel ao que lhe faz bem, mas não obrigue ninguém a querer o mesmo que você, a seguir o que acredita. Todos temos anseios e vontades próprias, temos necessidades particulares, de acordo com o nosso mundo interior e nossos mais profundos sentimentos.

O outro não tem que viver algo com você só porque você acredita e quer. Se a outra pessoa não acredita na mesma coisa que você, está tudo bem, ela tem o direito de seguir por caminhos diferentes e ser feliz como acredita.


Cada um precisa encontrar o seu caminho, o que o faz feliz, realizado, e todos nós merecemos respeito em tudo aquilo que consideramos ou não consideramos.

Ser do bem é também aceitar o outro como ele é. É bom ser do bem.

Não julgue, não fale sem saber, não queira definir o outro pelo que imagina!

Artigo Anterior

Estou vivendo um caso de amor comigo, comprometida com a minha paz interior!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.