publicidade

Se a alma está em paz, os ruídos externos não incomodam.

Um dia desses, acordei, num dia de folga, ao som de uma pancadaria. O apartamento ao lado do meu estava em reforma. Justamente no dia em que eu desativei o despertador e que tinha dado carta branca ao meu organismo para despertar na hora em que ele bem decidisse.



Em meio àquela pancadaria, algo me chamou a atenção: apesar de incomodada, minha irritação foi, rapidamente, sublimada.

Lembrei-me de que no ano passado eu reformei o meu apartamento e que, consequentemente, incomodei muito os meus vizinhos também. Em seguida, vesti uma malha, calcei os tênis e fui fazer uma caminhada num parque.

Contudo, enquanto caminhava, fiquei analisando o meu próprio sentimento diante daquela situação. Não sou nenhuma Madre Tereza de Calcutá, o normal era que eu ficasse extremamente mal-humorada pela forma como fui acordada. Não demorou muito e ficou tudo claro para mim.

Na verdade, eu me dei conta de que aquela pancadaria não estragou o meu dia porque eu estava em paz comigo.

Com minha alma transbordando de gratidão, diante de tanta coisa boa acontecendo em minha vida, o barulho de uma furadeira no concreto tornou-se um “café pequeno”. Aquela pancadaria não ecoou aqui dentro de mim. Aquilo não perturbou a minha paz, não me fez perder as estribeiras. Foi como se eu tivesse com uma proteção acústica interna. Dei-me conta de que, quando estamos bem, ficamos mais tolerantes com o outro. Podemos levar uma fechada no trânsito, por exemplo, que, ao invés de esbravejarmos, optamos por agradecer por não ter acontecido o pior.

Não tem outra explicação, está tudo bem claro. Não há dia nublado que entristeça quem está bem.


Se a alma está em ordem, tudo fica mais fácil de administrar. Se estamos iluminados por dentro, nenhuma escuridão nos assombra.

A gente acaba achando um jeitinho para tudo e, com um sorriso na boca, dentro do possível.

Quando você encontrar uma pessoa cuja irritabilidade soa desproporcional ao ocorrido, tenha a certeza de que ela está vivendo um caos interno. Ela apenas aproveitou aquela situação para extravasar um pouco a tormenta que vivencia na alma. Pessoas feridas, ferem. Pessoas curadas, curam. Quando uma pessoa ferida tromba com uma inteira, pode ocorrer algo maravilhoso. A primeira, se for acolhida pela segunda, será desmontada, no sentido de retirar a máscara do ódio e mostrar a realidade: uma alma que sangra.  É que, pessoas assim, no geral, só desejam que alguém as olhe nos olhos ou que as escute e diga-lhes: “puxa vida, eu te entendo, isso não é fácil mesmo”.


Em contrapartida, se uma pessoa machucada se depara com outra, também machucada, a situação tende a se agravar. Haverá, nesse caso, uma disputa de quem é mais rude e de quem machuca mais. Será uma verdadeira arena de lutas, da qual, ambas sairão mais machucadas que antes.

Por fim, fica claro, a nossa reação diante das circunstâncias apenas revela o que trazemos na bagagem da alma.

______________

Direitos autorais da imagem de capa: graf_montekristo / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.