publicidade

Se ele não assumiu você, pegue seu amor-próprio e vá embora. Quem realmente quer vai junto

Assumir uma relação está entre aqueles valores inegociáveis. É responsabilidade dos dois, um contrato de 50/50, uma conversa que envolve não só o “vem comigo”, mas o importante plural “vamos juntos”.



Acredite, é só uma pergunta. Não tem aquele tom meio inconformado, sabe? “Como assim?”, “não acredito!”, “ele não poderia fazer isso”. É uma pergunta sincera de quem não conhece você, mas lhe oferece aqui alguns parágrafos de acolhida. Muito provavelmente, você deve achar que existe algo de errado com você, e existe – precisamos falar sobre isso.

Nós, mulheres, crescemos em uma sociedade opressora, fundada em padrões que, até então, deveriam ser seguidos, se quiséssemos alcançar a “felicidade”. Padrões esses que aguçaram buscas utópicas de perfeição e, por consequência, erros.

Durante muito tempo, passamos a buscar tudo aquilo de errado que existe em nós, sem ao menos questionar se era ou existia algo errado. Com o olhar “errado”, fomos incentivadas a ir para o mundo, comprando sonhos e conquistas que na maioria das vezes não eram nossos, tampouco cabiam na nossa vida (lembre-se dos padrões!).

O “errado” sempre foi muito forte. Tão forte, que fez morada no nosso inconsciente, trazendo consigo a busca incansável por relacionamentos amorosos que, de alguma maneira, reforçam o que há de “errado” em nós. São relações que apresentam faltas, incômodos e uma estranha calmaria. Mesmo com sinais de estranheza, continuamos. Insistimos de todas as maneiras, inclusive anulando valores antes inegociáveis.


Insistimos acreditando que não é falta, tampouco incômodo, vivemos com o frio na espinha constante e a pergunta que parece não se calar: ele vai assumir o que nós temos?

“Ele.” Existe uma única coisa errada em você, a projeção nele.

Assumir uma relação está entre aqueles valores inegociáveis. É responsabilidade dos dois, um contrato de 50/50, uma conversa que envolve não só o “vem comigo”, mas o importante plural “vamos juntos”.


Longe do romantismo, assumir uma relação exige racionalidade. Amor para durar é equação, contrato e administração diária de expectativas. Nada exato ou cheio de fórmulas, mas equidade, no amor, é imprescindível.

“Ele não assumiu você?” É uma mistura de altas doses de expectativas com falta de diálogo, é, antes mesmo de ser relação, a falta de amor-próprio de um ou dos dois. É desigualdade antes de ser equidade. São migalhas emocionais que um dá e outro recebe.

Você pensa: “Está bom assim. O amor é assim mesmo, sofrido, cheio de incertezas e com um bocado de dúvidas.”

É sempre melhor ter uma relação assim do que não ter (contém ironia).

“Mas ele me apresentou para a família”, “mas ele curtia minhas fotos, deixava comentários, interagia com meus stories”, “mas ele me apresentou para alguns amigos”, “mas eu criei um vínculo com a mãe dele”, ele, sempre ele. Obviamente que, se o homem alimenta qualquer tipo de expectativa de relacionamento com você, é um mau-caráter, sem nenhum tipo de negociação. Mas, e você, qual é sua responsabilidade pelas próprias expectativas?

O que tanto falta em você para se apegar a migalhas emocionais de uma relação que, bem, nunca foi uma relação assumida. Se você assumiu uma relação sozinha, a responsabilidade é sua.

A qualquer sinal de falta de comprometimento no acordo feito por vocês, vá embora! De preferência, sem olhar para trás.

Não insista em quem, no momento, só pode oferecer migalhas. Não insista em quem não a assuma de verdade. Não insista em simbolismos digitais, tampouco em demonstrações presenciais que não se sustentam.

Você não precisa implorar para alguém assumi-la, nem mesmo se sentir obrigada a assumir algo que nem sequer criou base.

Por pura carência, nós nos apegamos a miudezas cotidianas que não criam expansão nem suprem expectativas. Nós nos apegamos por achar que o amor mora na insistência, na ousadia de abrir mão e negociar o que sempre foi inegociável.

Se ele não a assumiu, pegue seu amor-próprio e vá embora.

Quem realmente quer vai junto. Aliás, é o famoso “vamos juntos?”.

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.