Será que você está passando pelo “estresse da felicidade” neste fim de ano?

Final de ano chegou! E a correria, e os ciclos se fechando e o tempo voando. E…. as pessoas meio sem rumo, um pouco ou muito estressadas e tristes. Queremos ficar sozinhos, dormir, descansar, pensar na vida, no que deu certo ou não. A gente quer fugir por uns dias.

Você sabia que isso é comum e já se tornou algo normal em finais de ano?

As pessoas precisam parecer felizes, que tudo está perfeito, que não veem hora de comemorar, de festejar, trocar presentes, de pular ondas, de ver os fogos, sendo que no fundo as coisas não estão lá tão bem.

O chamado “estresse da felicidade existe”. E ele acaba fazendo tanta pressão em nossas vidas que a procura por consultórios médicos, principalmente os terapêuticos, aumenta.

É muito sentimento acumulado. E sabe por quê? Vamos a alguns motivos: muita coisa que se desejou não aconteceu. Muitas metas não foram alcançadas. Pessoas passaram por algum luto, rompimento, relacionamentos familiares ou de amor e amizade conturbados não deram certo, alguma doença não se curou, houve desemprego. Infelizmente, às vezes, coisas não dão certo.

Muita gente nesta época se culpa e se pune por não ter tido assim tanto êxito no que planejou. Alguns cansam de fingir alegria, enganam-se porque precisam fazer de conta que topam tudo e suportam todas as situações. E mais: ficam na busca desesperada por uma felicidade que deverá ocorrer em determinada noite, no Natal ou no Ano Novo.

Aquelas dicas para aliviar a tristeza e o estresse, tipo ser tolerante, resiliente, ficar só com quem se gosta, relaxar, viajar, ser sincero com o que se está sentindo sem se fazer de vítima, procurar ajuda, também já estão batidas, não é?

Você tem mantras, orações, ouve músicas que acalmam, banhos relaxantes, praticar esportes, descansa, você sabe de cor e salteado os conselhos que todo mundo dá, mas a tristeza, a angústia, a frustração, podem não ir embora tão facilmente.

A dorzinha na alma existe, sim. Encare sem traumas. Culpar Deus ou o Universo também não vai resolver.

Fazer um balanço do que passou também pode ser torturante para muitas pessoas. Rever a lista de desejos só deprime. Está se identificando?

Saiba que cerca de 75% das pessoas passam por isso. Converse com amigos. Muitos deles vão se identificar com o que você está sentindo. Vamos aceitar!

Não que isso necessariamente precise ser entendido e repetido todos os finais de ano. Mas encare como algo que realmente acontece até com quem você menos espera: talvez você mesmo.

Aos poucos a gente consegue se recompor, refazer, diminuir as expectativas próprias e dos outros.

Nada tem que ser perfeito. Respirar fundo e pensar que a vida tem dessas coisas é uma aprendizagem e vai passar. Ah! Uma hora vai!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / morganka




Deixe seu comentário