publicidade

Você é responsável pelo que sente.

Como você reage à vida? 



Nos últimos tempos, tenho prestado atenção na maneira como eu – e tenho certeza que você também –  temos nos revoltado com as coisas, e quando eu falo coisas, quero chamar a sua atenção para muitas situações, como por exemplo, a proposta de emprego que não deu certo, o namoro que fracassou, o dia que foi um grande inferno astral, o casamento que se rompeu e os amigos que sumiram, e não para por aí.

A  gente costuma brincar de jogar a culpa no outro. Fazemos e acreditamos ser só brincadeira, mas não é.

Quando não nos responsabilizamos pela nossa vida, empurramos a culpa do que não foi como imaginamos para o outro; o outro, até achar alguém que a pegue… É como se fosse a brincadeira da batata quente, em alguém a culpa vai sempre explodir.

Mas, vem cá, vamos pensar juntos, se as suas expectativas não estão sendo supridas, você é responsável por isso.


Primeiro, porque a expectativa é a rota para a frustração. Segundo, que ninguém tem culpa do que te acontece. Terceiro, você precisa aprender um pouco mais sobre autorresponsabilidade.

Não é fácil, mas é possível. Se quiser, podemos continuar nossa lista:

Quarto motivo: a vida é 10% o que te acontece e 90% o que você faz diante disso.


Quinto motivo: os sentimentos que afloram em você, diante de uma situação, são seus e não do outro.

Sexto motivo: você é único e tem a chance de infinitas possibilidades.

E assim por diante, vida que segue, vida que é.

Outro ponto que gostaria que refletíssemos juntos é sobre a palavra culpa, e confesso que essa palavra nunca soou bem aos meus ouvidos. Será mesmo que alguém tem culpa de algo?

Tendo como ponto de partida que cada pessoa é e faz o que pode no momento específico. A culpa talvez seja apenas uma maneira de redirecionar situações e circunstâncias más sucedidas e usar como proteção para outras. Existe gente demais com medo e gente de menos usando o amor como forma de viver.

A nota baixa na Universidade, a discussão com o vizinho, o cocô do cachorro que você pisou virando a esquina, a traição do seu parceiro, a falta de dinheiro no fim mês, as segundas-feiras que você não queria levantar da cama porque você acha um saco. O que você tem a ver com tudo isso?

Muita coisa, porque essa pode ser a maneira como você tem reagido à vida, com descuido, negatividade e um punhado de más vibrações.

Tudo isso pode ser a maneira como você vem se sentindo nos últimos tempos e, se for, é preciso parar e respirar e começar a se fazer perguntas criativas.

De como eu posso mudar o que me acontece?

Como eu escolho reagir diante de determinada situação?

E por fim tomamos como algo importante uma afirmação e reflexão:

“Eu sou responsável pelo que eu sinto.”

Nós nos revoltamos com muitas coisas e está tudo bem em sentir assim. A revolta pode ser o início de uma revolução interna. Seja revolucionário consigo mesmo.

__________________

Direitos autorais da imagem de capa: andreypopov / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.