Comportamento

“Agora eu posso rir porque eu tenho meus dentes”, revela menino após tratamento que mudou sua vida!

Ryan passou por cinco anos de tratamento. Ele sofre de agenesia, um processo que faz com que alguns dentes simplesmente não nasçam.



O sorriso de uma pessoa traduz a felicidade que ela carrega, mostra de forma transparente o que o corpo sente. Perder os dentes é uma forma de, pouco a pouco, minar a confiança de uma pessoa, que vai parando de conversar e expressar seus sentimentos, ficando sempre contida.

Ryan Coutinho, de 10 anos, sempre teve o sonho de ser igual aos amigos e sorrir quando tivesse vontade, mas a ausência de dentes impossibilitava tal ação. Há cinco anos, ele começou o tratamento que mudaria sua vida com a dentista Amanda Mattos, que se sensibilizou com sua história.

Segundo reportagem do G1, o pequeno Ryan se sente extremamente feliz com o resultado, já que agora tem todos os dentes e pode agir como qualquer outra criança. Ele revela que antes até rir era complicado, já que não gostava que suas gengivas ficassem aparentes, por isso sempre ficava com os lábios fechados. Mas agora, com o tratamento, já pode rir normalmente.


Tudo começou em 2016, quando Amanda Mattos compartilhou a história do garoto e emocionou milhares de pessoas. Ryan sofre de um processo de agenesia, uma anomalia que se caracteriza pela ausência congênita dos dentes.

Alguns dentes da arcada do menino não existem, mas a dentista não sabe ao certo se é uma questão genética ou se eles foram extraídos precocemente.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

O tratamento começou quando ele tinha apenas 6 anos e, no dia em que colocou a primeira prótese dentária, emocionou toda a equipe, quando se levantou da cadeira e irrompeu em lágrimas. A dentista afirma que sempre se emociona muito com essa história porque não imaginava quão bem faria para o menino o simples trabalho odontológico.


Direitos autorais: arquivo pessoal.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Não eram apenas os dentes, era algo muito maior, que atrapalhava seu convívio social e o impossibilitava brincar e agir como uma criança de sua idade. Até as vestimentas eram outras, já que Ryan sempre usava blusa com capuz para esconder o rosto.

Os cuidados devem seguir até a fase adulta, e Amanda faz questão de acompanhar o processo e compartilhar um forte laço de amizade com Ryan. Pelo menos uma vez a cada três meses ele precisa ir ao consultório da dentista com o “carro da feira”, aos sábados. Mesmo sendo muito jovem, ele adora ir às consultas, e cada vez que algo novo é feito, ele fala o quanto está bonito.


Direitos autorais: arquivo pessoal.

O tratamento não é de graça, e a mãe, que passa por dificuldades financeiras, optou por seguir com os cuidados de Ryan, sabendo o impacto positivo disso na vida do filho.

Fátima Coutinho e seu companheiro trabalham na roça e sobrevivem com o que conseguem vender da plantação. Ela conta que agora o filho tem mais liberdade e se sente mais confortável para brincar.

Direitos autorais: arquivo pessoal.


Ryan ajuda sua família com o trabalho da terra e também faz suas tarefas escolares a cada 15 dias.

A família busca, duas vezes ao mês, as atividades na escola. Todos tentam fazer juntos e, quando não conseguem, buscam auxílio na internet. A mãe explica que ele nunca deixou de fazer suas lições nem de ajudar no campo.

A dentista acredita que todos têm o poder de transformar a vida de outras pessoas, multiplicando a bondade. O menino está muito feliz em continuar com o tratamento que foi capaz de mudar radicalmente sua qualidade de vida!


Comente abaixo e compartilhe este texto nas suas redes sociais!

Para amenizar a saudade, filha possui “ursinho da memória” com acessórios da mãe que morreu de câncer

Artigo Anterior

Nossa Senhora, eu entrego meu dia em Suas mãos. Proteja e guarde-me!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.