Comportamento

“Apagões” como os de Pedro Scooby podem prejudicar relações. Entenda como!

Saiba por que apagoes como os de Scooby afetam os relacionamentos capa

Existem pessoas que assim como o “brother” parecem “desligar a mente” em momentos, o que dificulta a convivência com os outros.

BBB 22, assim como as edições anteriores, gera diversos assuntos para discussões no cotidiano dos brasileiros e hoje, até mesmo quem não acompanha o reality com frequência, acaba sendo atingido por algum caso que esteja em voga no programa naquele momento. Mesmo nos momentos em que a narrativa do programa não condiz com as expectativas do público, algo comum para um reality show, as discussões lá dentro acabam virando pauta aqui do lado de fora.

Os comportamentos dos “brothers” e “sisters” é uma das partes do programa que mais chama atenção do público e com cada vez mais pessoas assistindo, maior é o número de opiniões sobre o que poderia estar acontecendo. Existe todo um julgamento sobre se as atitudes de Arthur Aguiar são genuínas ou se a rivalidade com Jade Picon era planejada, mas para além do jogo, muitos telespectadores estão intrigados, e alguns até preocupados, com os comportamentos de Pedro Scooby, que do nada parece ter alguns “apagões” em sua mente.

Os internautas acabaram se acostumando com o ocorrido e as pausas de Scooby “do nada” também se tornaram uma piada da própria edição do programa, mas o fato do surfista “sair do ar” ainda chama muita atenção, principalmente por se tornar algo que dificulta sua convivência na casa, o que faz alguns telespectadores desaprovarem seu jogo.

A atitude estranha do “brother”, no entanto, pode ser indicativo de mais do que apenas desatenção dele. Alguns internautas até levantaram a possibilidade de ser uma epilepsia de ausência, um quadro que costuma vir acompanhado de algumas dificuldades de interação social.

De acordo com o jornal Metrópoles, a crise de ausência é um episódio epiléptico em que há alienação completa em relação ao ambiente exterior. Em geral, ela faz com que o indivíduo fique “fora do ar”, incapaz de responder a qualquer estímulo externo.

A esposa do surfista, Cíntia Dicker, explicou que os momentos em que Scooby “desligava” costumavam incomodá-la no início do relacionamento dos dois, pois acreditava que aquilo era uma expressão de seu desinteresse. O comportamento supostamente “desatento” de Scooby foi um dos motivos que levou a atriz Luana Piovani a decidir se separar dele.

De acordo com Denise França, neurologista especializada em epilepsia do Hospital Sírio Libanês de Brasília, o que chama atenção no caso de Scooby é o padrão definido que ocorre quando ele perde a interação com as pessoas e o ambiente ao seu redor. Estes pontos sugerem um comportamento epilético, de acordo com o que pode se observar no piscamento excessivo após o evento, e algumas movimentações na região da mandíbula, disse a médica em entrevista ao Metrópoles.

Apesar de suas observações, a médica deixou claro que não é possível traçar um diagnóstico preciso a distância, sem os devidos exames e avaliação, embora a presença de uma epilepsia de ausência seja forte no caso do “brother”.

2 Apagoes como os de Pedro Scooby podem prejudicar relacoes

Direitos autorais: Reprodução Instagram/ @pedroscooby

De acordo com Denise, as pessoas que apresentam este quadro clínico podem ter dificuldades no convívio social, sendo vistas como “distantes”, desatentas ou indiferentes. Elas, no entanto, estão sofrendo de um episódio epilético, uma questão clínica que ainda precisa ser mais difundida. Um dos pontos que podem levar a um diagnóstico, mas rápido e certeiro é o fator genético ligado a doença.

Em geral, o problema causa um impacto significativo na qualidade de vida da pessoa afetada, pois esses “apagões” interrompem as interações sociais e linhas de raciocínio em conversas, das mais simples às mais importantes, afetando desde relacionamentos amorosos, questões no trabalho e no convívio com amigos e família. De acordo com França, existem cerca de 3 milhões de pessoas somente no Brasil que são portadoras de epilepsia.

0 %