Comportamento

Casal não pode ter a guarda dos próprios filhos biológicos porque usou barriga de aluguel

Eles possuem acesso livre ao hospital para visitar as crianças, mas a guarda está em disputa judicial, pois há uma lei que proíbe “contratos de parentesco substituto”. Entenda o caso!



Esta história aconteceu em Michigan, nos Estados Unidos. Jordan e Tammy Myers tiveram filhos através de uma barriga de aluguel. Tammy teve câncer de mama, então, por motivos de saúde, optaram por uma portadora gestacional.

Porém, segundo a lei de Michigan, eles não são considerados os pais legítimos dos filhos, mesmo provando por meio de exames de DNA. Dois juízes já negaram os pedidos do casal de obter os direitos legais de seus bebês.

Seus advogados decidiram ingressar com um processo para revogar a decisão, e fazendo uma reviravolta um tanto quanto estranha no caso. Eles disseram que a maneira de o casal reaver seus filhos é adotando-os, mesmo que seja seus pais biológicos.

Tammy, em entrevista ao Fox2 Detroit, disse que isso é algo difícil de compreender e não achou que teriam de chegar a esse ponto.


Direitos autorais: reprodução YouTube/13 ON YOUR SIDE.

A opção por uma barriga de aluguel foi motivada pela saúde de Tammy que, ao fim de vários processos de rádio e quimioterapia, recebeu a triste notícia de que não poderia ter filhos.

Em 2019, pesquisaram na internet e conheceram Lauren Vermilye. Ela se ofereceu e não cobrou nenhum tipo de pagamento, pois se compadeceu da história do casal. Disse que seria um presente que ela queria dar a eles.

Os óvulos de Tammy foram inseminados artificialmente com os espermatozoides de Jordan e implantados no útero de Lauren. Os gêmeos nasceram. O nome de Lauren e do marido consta na certidão deles como seus pais legítimos.


A mãe dos bebês diz detestar essa decisão judicial, pois é um retrocesso, afinal de contas, estamos em 2021 e esse tipo de coisa jamais poderia acontecer, rebateu..

Direitos autorais: reprodução Youtube/13 ON YOUR SIDE.

Todos os envolvidos nessa história acreditavam que seria apenas mais uma formalidade, jamais imaginaram que viraria uma batalha legal, muito menos que fosse tão difícil.

Eames e Ellison nasceram prematuramente e ficaram na UTI neonatal. O hospital permitiu que Jordan e Tammy tivessem acesso total aos bebês, mas por lei eles não são considerados seus pais.

A disputa ainda está acontecendo e o casal espera que tudo seja resolvido e possa levar seus filhos para casa assim que tiverem alta.


Para concluir, Tammy diz que a lei é desatualizada e está acabando com famílias, tirando a alegria e entusiasmo de um momento que deveria ser de celebração.

O que achou deste caso?

Comente e compartilhe-o em suas redes sociais!


Aos 82 anos, esta senhora encantou a todos ao tirar fotos depois de participar de cultos virtuais

Artigo Anterior

Depois de dois anos, mãe finalmente consegue a guarda da filha adotiva: “A família está completa!”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.