Comportamento

Esposa com deficiência relata que marido é chamado de herói e santo por aceitar se casar com ela

Aos 36 anos, mulher quer conscientizar as pessoas de que deficiência não é algo extremamente ruim e ser deficiente não é um palavrão. O amor também acontece para ela!



Kristin Victoria não consegue mais andar por causa de uma condição conhecida como osteogênese imperfeita, os “ossos de vidro”. Ela fica em uma cadeira de rodas em tempo integral, mas vive normalmente. É esposa, tia, fonoaudióloga e viaja pelo mundo, levando a conscientização sobre ser defensora sobre sua deficiência.

Ela é apaixonada pela vida e se orgulha muito de ser quem é. Em depoimento ao Love What Matters, contou que desde a infância lidou com sua deficiência. Sua família serviu de apoio e força nos momentos difíceis.

Cresceu com calma e confiança, mesmo diante de suas limitações. Relatou que todas as atividades simples resultavam em fraturas, mas se recorda do cuidado e acolhimento da família e amigos. Isso foi crucial para que crescesse não odiando sua doença.


Terminou a escola regular e se profissionalizou. Escolheu a fonoaudiologia por poder tratar as pessoas sem precisar se esforçar fisicamente. Em 2013, casou-se com um homem que conheceu na internet, em 2006. Os relacionamentos virtuais, à época, ainda eram considerados tabus.

Desde o início, Kristin conta que foi sincera com ele sobre sua deficiência, e esse fator nada mudou na relação dos dois. Até não acreditou, pois via como ela era independente e alegre, coisas que as pessoas não associam a deficientes.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@sweet.satellite.

É nessa questão que Kristin quer bater sempre. Ainda há uma noção bem errada sobre portadores de necessidades especiais. A maioria não consegue associar uma vida boa e feliz a quem está “preso” a uma cadeira de rodas.


Diante de sua condição, muitos não acreditavam que ela conseguiria se casar. Seu marido Mark é chamado constantemente de herói ou santo por casar-se com ela. Kristin conta que ele é um homem fantástico, mas casar com alguém deficiente não é ato de heroísmo. Ele não a vê além de sua condição, porque ela mesma diz que sua deficiência faz parte de quem é.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@sweet.satellite.

A discriminação acontece em comentários como esse. Não é por ser deficiente que não se pode ter uma vida normal. Automaticamente somos excluídos de muitas atividades, porque as pessoas sentem pena e acham que isso é aceitável. Ela relata que, ao reconhecer sua dificuldade, enxerga o quanto de inacessibilidade e preconceito reinam contra quem tem algum tipo de limitação.

Kristin e Mark são um casal como qualquer outro. Viajam, têm os próprios talentos, interesses e características. Cuidam das tarefas do dia a dia e têm uma rotina que funciona. Gostam muito de aventuras e desafios. Nada é motivo de desistência para eles.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@sweet.satellite.

Ela decidiu compartilhar sua vida para que todos saibam o quanto sua perspectiva sobre a deficiência é positiva. Aproveita a oportunidade para dar voz a tantos que são silenciados por suas condições físicas ou mentais. Deficiente não é um palavrão, faz parte de sua vida e ajudou a moldar seu caráter.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@sweet.satellite.

A fonoaudióloga alega que, quando tem sucesso em algo, não está superando a deficiência e, sim, obstáculos. Diz que não precisa da piedade alheia, muito menos de tapinhas nas costas. Ela quer é mais defesa dos que não são deficientes para remover as barreiras que continuam existindo.


Que relato! O que achou da opinião de Kristin? Concorda com seu posicionamento?

Comente e compartilhe em suas redes sociais!

Paulo Coelho: “Se custa a sua paz, é muito caro”

Artigo Anterior

“Extremamente feliz sozinha.” Jane Fonda, aos 82 anos, declara que relacionamentos não a moldam mais

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.