Comportamento

“Fui rejeitada por meu tamanho e peso.” Mulher é demitida por não entrar no uniforme da empresa

Alba Nevado decidiu expor em suas redes sociais o que lhe aconteceu. Ela acusa a empresa de discriminação e gordofobia. Entenda o caso!



As mulheres alcançam o mercado de trabalho pela sua competência e habilidade. É o que deveria acontecer, na prática. Mas infelizmente ficamos sabendo de casos que a aparência acaba sendo um fator determinante para que elas fiquem ou não em seus empregos.

Mesmo em pleno século 21, ainda há comportamentos que diminuem a mulher e a colocam em posição inferior. Ou utilizam de sua forma física para julgá-la apta ou não. Recentemente uma atriz espanhola resolveu divulgar a experiência ruim que teve ao ser contratada por uma empresa e não conseguir trabalhar, pois foi demitida por não entrar no uniforme.

Alba Nevado não pôde exercer a função para a qual foi contratada pelo simples fato de não caber no vestido. Por conta da pandemia, ela não estava mais trabalhando como atriz, por isso decidiu procurar outra profissão para se sustentar.


Uma empresa chamada Best Way a contratou para ser uma das recepcionistas da Feira Internacional de Turismo. Segundo seu relato no Instagram, ela passou em todos os testes e estava apta para trabalhar.

Entregaram-lhe o uniforme e, ao vesti-lo, viu que era pequeno demais, não lhe servia. Foi aí que ela relatou que a culparam por isso. Ela foi alvo de ofensa e lhe disseram que o tamanho era único, padrão da empresa, não havia um número maior para ela.

Lamentaram muito o corrido, mas a mandaram para casa porque não poderia trabalhar sem o uniforme. Ela relatou aos prantos que não quer ser tratada como se fosse um problema e sua imagem fosse a única coisa que devesse funcionar.


Por não estar encaixada nos padrões estéticos, foi mandada embora, ou seja, não foi por incapacidade ou inabilidade, e sim por causa da aparência. Ela declara no vídeo, bastante emocionada que, como não havia número para ela vestir, foi impedida de trabalhar.

O caso teve grande repercussão e polêmica, e após alguns dias de publicação, ela gravou outro vídeo, com atualizações. A empresa a procurou para pedir desculpas pelo ocorrido e lhe ofereceu outro emprego.


Alba recusou, porque não se sentia à vontade para continuar na equipe e não queria ser antipática com outras pessoas que não são as culpadas pelo que ela teve de passar.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@alba.nevado.

A empresa Best Way publicou uma nota no jornal ABC, onde explicou que nunca aconteceu nenhum tipo de discriminação por parte deles, pois os uniformes haviam sido entregues um dia antes do evento para mais de 100 colaboradores. Asseguraram que não discriminaram ninguém e que nenhum funcionário foi rejeitado por sua forma física. Afirmaram que possuem uma equipe de todos os tamanhos e não fazem diferença de pessoas.


O que achou do relato da mulher? Qual sua opinião sobre o posicionamento da empresa? Comente e compartilhe este caso em suas redes sociais!

Mulher se casa com homem dos sonhos, após relacionamento abusivo. Ele adotou seus 3 filhos!

Artigo Anterior

Brasileiro que cresceu na favela e catou latinhas na rua cria empresa de sucesso internacional

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.