Comportamento

Jovem faz laqueadura aos 25 anos e declara: “O corpo é meu, a vida é minha, eu sempre tive certeza”

A garota disse que fazer a cirurgia foi a realização de um sonho.



A maternidade, por muitos anos, era considerada um traço inerente às mulheres, das quais se esperava que, em algum momento da vida, quisessem ter filhos. Mas sabemos muito bem que essa decisão não se aplica a todas.

Karoline Alves trabalha como assistente administrativa e decidiu, aos 25 anos, fazer laqueadura, cirurgia para não ter filhos. De acordo com a BBC News Brasil, ela ficou sabendo que esse procedimento existia na adolescência e relatou que sempre teve a certeza de que não queria ser mãe.

A jovem comentou que, mesmo utilizando de outros métodos contraceptivos, a cada vez que a menstruação atrasava, era uma preocupação. Alegou que nunca se viu tendo filhos, e ter a possibilidade de fazer a cirurgia lhe daria uma preocupação a menos na vida, afirmou.


Porém as histórias que ouvia sobre a dificuldade do procedimento a desanimaram, pois escutava de muitas pessoas que teria de ter pelo menos dois filhos para se tornar infértil por meio dessa cirurgia. Karoline achava que isso não fazia sentido, pois excluía quem não gostaria de ter filho nenhum.

Aos 25 anos, ela decidiu checar por si mesma como proceder para conseguir a operação. Descobriu que essa era a idade mínima exigida pela lei para que mulheres fizessem cirurgia de esterilização. Relatou que levou a lei impressa para a médica, caso alguém a proibisse de fazer o procedimento. Mas ficou surpreendida de maneira positiva ao ver que não teria resistência. Foi a primeira vez que ela entrou em consulta com a profissional médica.

A jovem, agora com 26 anos, comenta que foi um grande alívio, pois imaginou que seria mais difícil por conta das histórias que escutou. Ela decidiu compartilhar sua decisão no Facebook, que alcançou 20 mil curtidas e 16 mil comentários.

Declarou que, na maioria, as mensagens eram de pessoas com dúvidas sobre o caminho que deveriam seguir para fazer a operação e curiosidades sobre como foi passar pelo procedimento. Karoline afirma que quis compartilhar sua história para que outras mulheres que não querem ser mães saibam que é possível e que não desanimem, pois todas precisam correr atrás dos direitos.


Alguns comentários foram de críticas à sua decisão, mas ela relatou que parou de acompanhar e só responde a quem manda mensagem. Karoline disse que a médica conversou bastante com ela, perguntou se ela tinha certeza, porque é um método radical e a reversão é difícil.

Como a jovem sempre foi firme em sua decisão, ela foi encaminhada para a cirurgia, que só foi realizada depois de exames clínicos e acompanhamento psicológico por dois meses. Além disso, foi informada dos riscos, possíveis efeitos colaterais e que pode ocorrer chances de falha, já que nenhum método é 100% seguro, explicou.

Karoline afirma que o corpo é dela, a vida também, e sempre teve certeza, por isso acha que não vai se arrepender, já que o procedimento foi a realização de um sonho. Disse que a família aceitou sua decisão de não ser mãe, pois era algo que sempre soube, e lhe deu muito apoio. Quanto às pessoas de fora, que a criticam sobre o procedimento, ela conclui que acham que a verdade delas é a de todo mundo.


Mãe alega racismo por restaurante se negar a servir o filho porque sua roupa não era “apropriada”

Artigo Anterior

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.