Comportamento

Mãe é acusada de negligência infantil por se atrasar 7 minutos para buscar seu filho na escola!

Capa Mae foi acusada de negligencia infantil por se atrasar 7 minutos para buscar seu filho na escola

O atraso de 7 minutos após o tempo de tolerância fez a escola acionar o Departamento de Serviços para Crianças e Famílias. Mãe foi notificada!



Uma mulher de Chicago, nos Estados Unidos, foi denunciada por negligência infantil depois de se atrasar cerca de 7 minutos para buscar seu filho na escola. A atitude da instituição foi de avisar e relatar o caso para o Departamento de Serviços para Crianças e Famílias, uma espécie de Conselho Tutelar.

O ocorrido foi no início de março, pouco tempo após a abertura das escolas por conta da pandemia. A mãe JaNay Dodson contou ao NBC 5 que estava trabalhando e se confundiu com os horários de ônibus. Quando percebeu que se atrasaria, tentou contato com a escola, mas não foi atendida. Pediu então para que seu irmão mais velho fosse buscá-lo.

A escola pública ligou pelo fato do menino de 10 anos precisar ficar até depois do permitido. Lá, as aulas se encerram às 16h. Ele ficou até 16h37.


O estabelecimento de ensino tem um período de tolerância de 30 minutos após o encerramento das aulas. Quando acontecem atrasos como esse, são obrigados a acionar a polícia e alertar o serviço de proteção à criança.

A diretora do colégio escreveu um recado para a mãe, dizendo que tinha empatia pelos desafios de conciliar trabalho e responsabilidades maternas, mas reiterou que os funcionários devem seguir as orientações passadas pela escola, portanto era para ela se certificar de que o filho fosse pego no horário correto.

2 Mae foi acusada de negligencia infantil por se atrasar 7 minutos para buscar seu filho na escola

Direitos autorais: reprodução Facebook/JaNay Dodson.

JaNay contou que o protocolo seguido é de que os funcionários devem contatar primeiro os pais ou responsáveis pela criança. Caso a pessoa não seja encontrada, deixar uma mensagem para ela e todos os contatos de emergência e somente depois disso relatar o caso. Ela disse que não ligaram para ela nem para os contatos que havia deixado.


Desde que isso aconteceu, JaNay recebe visitas domiciliares de assistentes sociais para observar se há negligência e abandono, de acordo com a rotina da família.

Em seu Facebook, a mãe fez uma postagem relatando que acreditava ter sido vítima de racismo, já que seu filho, após o incidente, havia sido retirado da sala para responder sobre o ocorrido, sem o consentimento dela.

Isso gerou constrangimento numa criança de 10 anos, que não queria voltar à escola. Ao conversar com outros pais, viu que alguns se atrasaram ainda mais do que ela, e não receberam nenhuma notificação.

Ela frisa que a única diferença entre esses pais e ela é a cor da pele. Vários pais se aliaram a JaNay, por achar a aplicabilidade da punição, muito severa, pois essa política não havia sido aplicada a eles, quando se atrasaram. Assinaram uma petição para mudar a política da escola e pediram investigação de discriminação.


A mãe está sendo investigada por causa da denúncia. Ela pediu encarecidamente que isso fosse retirado de seu registro, pois as consequências seriam desastrosas para o seu futuro e de seu filho.

O que achou desse caso? Concorda com a atitude da escola?

Comente e compartilhe em suas redes sociais!


Aos 48 anos, Cameron Diaz fala da maternidade e declara que não pretende voltar para o cinema

Artigo Anterior

Professora decide mudar de ramo, abre cafeteria e ganha prêmio internacional!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.